Notícia

Pessoas

António Calvário: "Quando saio à noite ainda é de caixão à cova"

17.10.2015 09:05 por Ana Sofia Fonseca
Os pais queriam que fosse advogado. Preferia pianista ou padre. O ídolo da música da década de 60 faz 77 anos a 17 de Outubro e nós recuperamos a entrevista de vida que a SÁBADO lhe fez antes de comemorar 50 anos de carreira
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado
Foto: Sábado

O encontro estava marcado para as duas e meia da tarde, no Café Império, em Lisboa. Ele chegou antes da hora, a tempo de tomar uma água e encher o ego. Na parede, ao lado de outras antigas estrelas, encontram-se duas fotos suas no auge do sucesso. Quando as fãs lhe rasgavam a camisa e só saía de casa sob escolta policial. Foi ele quem, num misto de nostalgia e sentido prático, escolheu o local da entrevista. Morou 30 anos a dois passos do velho café, já por lá muito cantou e, em breve, espera repetir o feito. Além disso, agora que tem casa na outra margem, sempre que vem à capital estaciona o seu Renault por ali. Conhece a zona como o seu repertório e, à conta dos "vândalos" terem estragado os parquímetros, lá poupa umas moedas. Soa a hora agendada, Calvário desce as escadas e escolhe uma mesa longe de olhares. A cada passo deixa um rasto de perfume e um sorriso. Senta-se. Mais uma água e as canções dos Abba a embalarem a conversa. À beira de completar 50 anos de carreira (em 2008), o primeiro artista a representar Portugal na Eurovisão, suspira pelas coroas de Rei da Rádio, pelos dias áureos da revista e sonha entrar numa telenovela. António Calvário continua solteiro e louro rapaz. Ainda incendeia um clube de fãs, todas elas avozinhas. Ah, "Mocidade, Mocidade"!

Um homem com o cabelo pintado de louro é um homem "à Calvário". Foi você que ditou a moda?
Eu fui um bebé e um adolescente louro. Sai à minha mãe, que era uma senhora de olhos verdes e muito loura, o contrário do meu pai que era moreno e tinha um ar mais árabe. Por volta dos 20 anos, o cabelo começou a escurecer. Estava a tornar-me famoso e como queria continuar a ser louro, comecei a pintá-lo. E, olhe, pinto até hoje. Bem, agora também por causa de uns cabelitos brancos. Se calhar, fui mesmo eu que comecei com isto.

Pinta o cabelo em casa?
Em casa ou no salão, tenho técnicas de fazer inveja a qualquer cabeleireiro. Quando as raízes começam a ficar brancas, aplico a tinta com o cabo de uma escova de dentes velha. É melhor do que qualquer pincel, fica uma maravilha! Tenho muitos anos de prática, às vezes, até digo às cabeleireiras que pinto melhor do que elas.

E qual é a cor António Calvário?
É o louro normal, o rótulo só diz louro.

António Calvário da Paz é um nome mais do que religioso...
Ainda eram para me pôr outro nome santificado, estive para ser António Calvário Sacramento da Paz. Depois lá acharam que era demais (risos), mas eu gosto.

pub
Nem precisou de inventar nome artístico.
Pois não. Calvário é uma palavra aberta e os nomes artísticos devem ter uma palavra sonante.

No próximo ano cumpre meio século de carreira. Qual o balanço que faz?
Positivo. É uma carreira longa. Aos 19 anos tornei-me muito, mas muito conhecido. Foi com uma canção popular, Regresso, num festival organizado pela Emissora Nacional. Nestes 50 anos, tenho a felicidade de nunca me ter tornado uma pessoa desconhecida do público. Ficar é difícil.



É um artista deste tempo?
Também, por que não? Continuo a ser muito reconhecido pelo meu passado. Em termos musicais, o que sou hoje tem muito a ver com o que fui nos anos 60, mas há uma evolução. Na minha época, o mundo era outro – não havia nada das tecnologias que há hoje.

As pessoas continuam a meter-se consigo na rua?
Ah sim, pedem autógrafos. Nos supermercados e na rua vejo que as pessoas me reconhecem e isso dá-me uma grande felicidade.

pub
Era uma loucura. Se estava anunciada a estreia de um filme no Cinema Odeon, o trânsito nos Restauradores tinha de ser cortado e eu tinha de sair de casa acompanhado por polícias de motorizada!
Sente-se uma das grandes vedetas da década de 60?
Isso é o que os outros dizem, eu não posso dizer que sou ou fui vedeta. Ponham os rótulos que quiserem, desde que não sejam muito maus. Quando isso acontece, fico triste.

Qual foi o pior que lhe puseram?
Olhe, ainda há pouco tempo, uma revista fez-me uma entrevista e pôs como título: "O avô pimba". Não gostei nada daquilo, não sou nem nunca fui pimba.

Nos anos de maior sucesso, como é que conseguia andar na rua?
Era impossível! Só à noite é que conseguia sair à-vontade, ia até às boîtes (agora chamam-lhes discotecas, mas para mim isso é uma loja de discos).

É verdade que não podia ir do Rossio até ao Chiado?
É pois! As pessoas gritavam "é o Calvário, é o Calvário!", era uma loucura. Se estava anunciada a estreia de um filme no Cinema Odeon, o trânsito nos Restauradores tinha de ser cortado e eu tinha de sair de casa acompanhado por polícias de motorizada!

pub
Isso é à estrela de Hollywood.
Era desse género, era. No Porto, ficava no Hotel Batalha, nem imagina o que era aquela praça cheia de gente!

Como é que viveu esses momentos?
Era uma sensação estranha, mas de satisfação. Bem sei que toda essa euforia e maneira de estar do público era fruto da época, veja-se o que acontecia com os Beatles... Eu tinha esse problema à escala do meu país.

Sente falta dessa popularidade?
O público continua a acorrer aos meus espectáculos e a acolher-me bem. A forma eufórica de reagir na rua é que é diferente do que era.

Recebia centenas [de cartas] por dia e não tinha tempo de abrir todas. Sabia que perdi muito trabalho por causa disso? Os contratos para espectáculos eram por carta e eu, às vezes, quando abria a proposta já a data tinha passado
Conte-me uma histórias dessa época.
Quando me anunciavam era uma loucura! Uma vez, na gravação do programa Festival, houve uma pessoa que para me ver se debruçou de tal maneira no balcão, que caiu e veio parar à plateia. Não se magoou, teve a sorte de cair em cima da multidão. Outra vez, à porta de um espectáculo, era tanta gente que o motorista passou por cima do pé de uma admiradora. Coitada, eu não acho piada a estas coisas. Às vezes, rasgavam-me a camisa, chegava aos sítios todo desgargalado. Vá lá, ser só isso... (risos)

pub
Coisas de quem tinha um séquito de fãs.
Até tinha um clube! Hoje, mantenho um bom relacionamento com as meninas dessa época, agora já avós. Passei a ser visita de casa de algumas.

Guarda muitas cartas?
Ainda tenho milhares, as que o meu pai guardou. Eu recebia centenas por dia e não tinha tempo de abrir todas. Sabia que perdi muito trabalho por causa disso? Os contratos para espectáculos eram por carta e eu, às vezes, quando abria a proposta já a data tinha passado. Então, o meu pai que já estava reformado, começou a entreter-se a abrir as cartas do filho. Tenho montões, caixas cheias...

Se não fui casado oficialmente, o número de casamentos que fui tendo... E continuo a casar de vez em quando, é mais interessante (...) Naquela altura, ser casado tirava-nos fãs, elas perdiam aquela ilusão de um dia...
Era um arrasa corações.
Sim, muitas eram declarações de amor. Havia também ameaças, "se não se encontrar comigo é porque não gosta de mulheres". E todas traziam um pedido de fotografia autografada.

O que não lhe faltavam eram pretendentes.
Sim, sim e ainda hoje existem! Calcule só, se não fui casado oficialmente, o número de casamentos que fui tendo... E continuo a casar de vez em quando, é mais interessante. Além disso, acho que casei com o meu público. Naquela altura, ser casado tirava-nos fãs, elas perdiam aquela ilusão de um dia...

pub
É verdade que lhe gritavam "não cases, não cases"?
Aconteceu, pois! Então quando se disse que eu ia casar com a Madalena Iglésias que era, de facto, uma pessoa com quem eu acompanhava muito, chegaram-me a pedir de joelhos!

E esteve mesmo para casar com ela?
Ah... isso não respondo. Tínhamos uma amizade muito grande, não quer dizer que não pudesse acontecer...



Mas alguma vez chegou a pensar a sério em casar?
Não, porque não era bem visto pelas fãs. E é um passo muito sério, eu não cultivo a infelicidade e o que via à minha volta era ciúme, filhos que ficam...

Diz-se que Portugal, na altura, era um país de mulheres feias.
Ah, havia mulheres bonitas. Como hoje. Para mim, o bonito é a parte espiritual. Não se pode ver o casamento como uma meta sexual, como se não houvesse mais nada na vida.

pub
Lamenta não ter tido filhos?
Gostava de ter tido, mas isso ficou resolvido com os meus sobrinhos, criei-os como filhos. E, agora, sou um tio-avô babado. Tenho três.

Que o chamam Ti Tó.
Exacto. Uma delas então está muito agarrada a mim. Chama-se Maria Calvário e tem oito anos.

Costuma ir buscá-la à escola?
Sim, e às vezes, fica a dormir em minha casa.

Recorda-se da sua primeira paixão?
Claro, foi colegial. Mas não digo o nome, já é avó.

Qual foi o momento mais marcante da sua vida?
Tive vários. O primeiro foi quando me tornei conhecido de todos os portugueses, com a canção Regresso.

pub
Outro foi a ida à Eurovisão, na Dinamarca, em 1964, não?
Sim, nessa altura já era muito conhecido, já tinha gravado muitos discos e já trabalhava no teatro de revista. Ser o primeiro português a representar Portugal na Eurovisão é um ponto de honra para mim.

O que recorda dessa viagem?
Cheguei lá sozinho nem sequer maestro levei, mas fui muito bem tratado.

Como é que correu a noite do espectáculo? Acabou por não receber qualquer ponto.
Ora agora também poucos recebem. E a situação política não ajudava. Por causa das ditaduras, ninguém queria que Portugal e Espanha lá estivessem. Eu já ia prevenido, tinham-me dito para ter cuidado com os jornalistas.

Fizeram-lhe perguntas embaraçosas?
Ah sim, queriam saber o que é que eu achava da situação. Mas eu respondia "desculpe, de política não entendo nada". E não entendia, como a maior parte das pessoas não estava embrenhado nesses assuntos. Não se falava de nada disso e o tempo que tinha era para estudar e para a música.

A canção que levou à Dinamarca, Oração, é um dos seus grandes sucessos.
É verdade, até tive o convite de uma editora francesa, onde gravou a Edith Piaff, para cantar em francês, mas a Valentim de Carvalho que tinha o exclusivo não autorizou. Foi uma pena, perdi muitas oportunidades a nível de estrangeiro.

pub
Enquanto cantor como é que se define?
Sou um cantor versátil. Dentro da área ligeira, canto vários tipos e também folclore e um fado ou outro.

Pode dizer-se que é um cantor romântico?
Essa é a base, mas sou um cantor de sempre. O que canto é imortal.

Chateia-se quando dizem que é uma das vedetas do cançonetismo nacional?
Nunca percebi o que isso é, mas é coisa do alguém da má-vontade. A única verdade é o nacional, de facto, sou um produto nacional. Bem, e também sou cançonetista, mas usam essa expressão com um sentido depreciativo.

Recorda-se do dia da revolução?
Estava no Porto a estrear uma revista. Só esteve em cena uma semana, com o 25 de Abril o texto ficou todo desactualizado. Tinha-me deitado muito tarde e acordei com um telefonema da minha mãe a anunciar o que se passava. Saí logo para a rua, estava um lindo dia de calor.



pub
Depois do 25 de Abril, passou um mau bocado. Como foi ser conotado com o Salazarismo?
É outra coisa que nunca entendi. Então, e a Amália também era do regime? Todas as pessoas que cantavam naquela época estão ligadas da mesma maneira ao regime. Eu cá nunca lhe cantei vivas.

Mas foi prejudicado?
Foi uma injustiça! Agora, toda a gente diz que não teve nada a ver... E os capitães que fizeram a revolução também não vieram do sistema? Como é que adquiriram as patentes? Acho cá uma piada...

Mas o que é que lhe aconteceu?
Ninguém me dava trabalho, tive de começar a cantar em cabarets e sujeitar-me ao que queriam pagar.

Chegou a ser insultado na rua?
Sim, mas não muito.

Vamos até à sua infância?
Vamos. Venho de uma família de algarvios, tive uns pais maravilhosos. Nasci em Lourenço Marques e fui morar para uma cidade a 100 quilómetros. Tive uma infância livre, tínhamos todo o espaço do mundo para brincar.

pub
O seu pai era mecânico, não era?
Ele tinha a especialidade de automóveis e tractores e a minha mãe era doméstica.

Sonhava ser um pianista como os dos filmes, comecei a tocar aos 7 anos. Também quis ser padre, por causa de um padre que conheci em África. Eu não conhecia avôs e ele era de uma ternura tão grande que eu queria ser igual a ele
Em casa chamavam-lhe Tonecas?
Ainda hoje, mas é um exclusivo da família.

Em Moçambique, ia ao cinema?
Ia, ia. Era o tempo dos musicais, das grandes estrelas como o Fred Astaire.

O que é que o Tonecas queria ser quando fosse grande?
Nunca fui para grandes cursos, tinha uma loucura pela música. Ouvia Chopin e sonhava ser um pianista como os dos filmes, comecei a tocar aos sete anos. Também quis ser padre, por causa de um padre que conheci em África. Eu não conhecia avôs e ele era de uma ternura tão grande que eu queria ser igual a ele.

pub
Entretanto, aos 8 anos vem para Portimão. Que história é essa de trocar uma bicicleta por lições de piano?
Era habitual o meu pai oferecer-me uma prenda pela passagem de ano e eu prescindi da bicicleta ou dos patins a troco das aulas de piano. O canto aparece por acaso e é o que vinga.

Quando é que cantou pela primeira vez?
Aos 15 anos, no externato. O reitor indigitou-me por engano para cantar na festa da escola. Eu fiquei cheio de medo, mas não disse nada, na época tremíamos só de ver o reitor. Cheguei à aula de piano, contei à professora e ela pôs-me a fazer um arranjo vocal. Sai-me tão bem que ela não queria crer que eu nunca tinha cantado. A partir daí, comecei a ter meia aula de piano e meia de canto. Os meus pais fartaram-se de rir, nunca me tinham ouvido cantar e aquilo foi um sucesso.

Pouco depois, vem estudar para Lisboa. Como é que começa a ter aulas com a Corina Freire?
Ela era uma grande artista e era prima da minha avó. Ofereceu-se para me educar na música, mas quando cheguei a casa dela, disse-me que só ensinava canto e eu lá fui.

Os seus pais (na foto) viam com bons olhos essa sua veia artística?
Não, queriam que fosse advogado. Nem sabiam que a Corina Freire me andava a ensinar.



pub
Atirou mesmo uma moeda ao ar para decidir entre os estudos e o palco?
Atirei, era coroa para um caminho e cara para outro. Sabe, eu acredito no destino.

Então, também acredita na sorte e no azar?
Pode-se dizer isso.

É um homem de sorte ou de azar?
Das duas, a minha grande sorte é ser muito saudável. Em jovem, fumei e bebi muito, por isso, aos 50 quando fui fazer um check-up pensei que o médico me ia receitar uma série de comprimidos, mas disse-me que estava tudo bem. Ainda assim, decidi parar de fumar e de beber.

E o que é que experimentou de drogas?
Na altura, não era como agora. Experimentei charros só para não ser desmancha prazeres.

A primeira peça extravagante que comprei foi em Madrid: uma camisa de toureiro. Depois, apliquei-lhe uns folhinhos. Nem imagina o que fui criticado por aparecer com uma camisa com folhos...
pub
Certo é que ninguém diz que tem 68 anos.
Uns 40, não? (Risos)

Tem muitos cuidados?
Procuro uma comida à base de cereais, como mais peixe do que carne e faço ginástica.

É supersticioso?
Não. Sou católico, entendo-me é com a parte divina. Benzo-me antes de entrar em palco, peço para não ter lapsos de memória.

Mas é dado a ir à bruxa?
Não, um católico não pode estar ligado a bruxedos. Todas as noites falo com Deus e, antes de me deitar, faço um exame de consciência.

Como é que foi a sua estreia na Emissora Nacional?
Havia muitos programas de estúdio com orquestra. Era tudo muito diferente... cantávamos ao vivo e éramos remunerados. Agora, mal passa música portuguesa.

pub
Apareceu-me em casa uma grávida com a tia. Eu tinha acabado de chegar do Canadá, abro a porta e pergunto quem são. A tia começa logo: 'Isto não pode ficar assim! Já viu o que fez à minha sobrinha?'
Qual foi o primeiro cachet que recebeu?
Foi 50 escudos, no programa Vozes da Rádio, gravado no Barreiro. Sai de lá eufórico! Ainda era estudante, vivia num quarto em Lisboa, só tinha a mesada dos meus pais. Nunca mais me esqueço... Nessa noite, convidei dois colegas para jantar num restaurante, o Come e Bebe, na Rua das Portas de Santo Antão, que tinha um bife óptimo com batatas fritas, ovo a cavalo e custava seis escudos! Uma fortuna! Foi cá uma festa!

Começou então a ganhar mais dinheiro. Aproveitava para dar umas escapadelas a Espanha?
A vida era barata e o escudo valia mais do que a peseta, por isso, íamos lá às compras. A primeira camisa de smoking que vesti era do meu pai, os botões eram trevos de ouro, mas a primeira peça extravagante que comprei foi em Madrid: uma camisa de toureiro. Depois, apliquei-lhe uns folhinhos. Nem imagina o que fui criticado por aparecer com uma camisa com folhos...

Foi várias vezes Rei da Rádio. Como recorda essas coroações?
Era uma maravilha, na época, era a bitola do sucesso.

Em 1962, recebeu o Oscar da Casa da imprensa. Ficou contente por outro dos galardoados ser o Eusébio?
Claro! Foi o primeiro ano e fomos pioneiros. Somos muito amigos.

pub
É benfiquista?
Sou, mas não sou fanático.



Foi difícil lidar com a fama?
Contaram-se muitas histórias falsas, ah, e muitas anedotas. Mas tão ordinárias que não posso contar.

Chegou a pensar desistir de cantar?
Cheguei, sou uma pessoa tímida e não estava preparada para tanta euforia, para ser atirado às feras.

Mas insultavam-no de quê?
Normalmente, os rapazes é que faziam isso. Gostavam muito de arrasar a minha masculinidade e eu não estou preparado para ser maltratado sem justificação, fico muito magoado.

pub
Em 1963, estreia-se no teatro de revista. Gostava de subir a esses palcos?
Muito, é um género de teatro que adoro.

Concorda que está morto?
Não, a revista à portuguesa é muito nossa e devia ser apoiado.

Qual foi a situação mais engraçada que lhe aconteceu em palco?
Numa opereta chamada "Invasão", no Teatro Trindade, estava eu a cantar quando o cenário se desprendeu e caiu. Era uma casa, eu fiquei enfiado na janela mas continuei a cantar. Houve feridos e tudo! Veio uma ambulância, entraram macas e eu nunca parei. Até recebi um louvor por ter mantido o show. Como era sobre as invasões francesas, o público pensou que tudo fazia parte do espectáculo.
Ai menino, está tanta gente de volta do seu carro que não vai poder sair. Está lá uma rapariga a lavá-lo e a dizer que quer ter um filho do António!
Estamos a falar da época de ouro do Parque Mayer. Como recorda esse espaço?
Era uma loucura, todos os teatros funcionavam. Faz-me muita pena passar por lá agora. Antigamente, havia segurança à noite, estava tudo cheio de guardas-nocturnos, as pessoas não tinham medo de sair. Outros tempos...

Já vi que é um saudosista.
Das coisas boas, sou.

pub
Conte-me uma história desse Parque Mayer.
Uma vez, numa matiné, apareceu uma costureirinha de teatro a dizer-me: "Ai menino, está tanta gente de volta do seu carro que não vai poder sair. Está lá uma rapariga a lavá-lo e a dizer que quer ter um filho do António!" A certa altura, não tive outro remédio senão sair e a tal rapariga agarrou-se a mim a gritar aquelas coisas.

Também devem ter aparecido algumas a dizer que tinham filhos seus, não?
Apareceu-me em casa uma grávida com a tia. Eu tinha acabado de chegar do Canadá, abro a porta e pergunto quem são. A tia começa logo: "Isto não pode ficar assim! Já viu o que fez à minha sobrinha?" A rapariga com uma barriga enorme e eu nem a conhecia. Era fanhosa, ainda me disse: "Ó António, não me digasss que vensss assssim tão essquecido do Canadá?" A tia saiu de lá a dizer que ia à judiciária. Há muito oportunismo...

Também deu cartas no cinema. Uma Hora de Amor e Sarilho de Fraldas, ambos com Madalena Iglésias, ficaram célebres. Gosta mais de cinema ou de teatro?
São coisas diferente. Hoje em dia, tenho pena de não estar mais activo no cinema.

Mas nem tudo foram rosas. Quando tentou ser produtor, com O Diabo era Outro, encheu-se de dívidas.
Porque fui enganado! Tinha 1200 contos, um filme custava uns 700, mas acabou por custar mais de três mil. Foi um desaire, o horror. Para pagar as letras, comecei a cantar em circos.

Chegou a andar em tournée com o filme?
O filme acabava comigo a cantar – eu e a Milú éramos os protagonistas - e eu aparecia ao vivo a cantar. Fiz digressões pelas colónias e aí é que consegui ganhar um reforço de bilheteira.

pub
Qual o seu filme preferido?
E Tudo o Vento Levou. Perdi a conta às vezes que o vi.

Só lhe falta fazer telenovelas. Gostava de experimentar?
Estou farto de dizer que adorava, mas ou nunca vai acontecer ou estão à espera que chegue a bisavô para me arranjarem um papelinho.

Gravam-se cada vez mais cenas de sexo. Teria problemas em filmá-las?
Já não está muito indicado para a minha idade, é mais para a pujança da juventude.



Há umas semanas, foi a um programa de televisão, o Isto só Visto. Não lhe correu lá muito bem, pois não?
Foi um horror. Quem viu gostou, mas eu acho que podia ter feito melhor.

pub
Das suas canções, qual é a preferida?
Gosto muito da Mocidade, Mocidade que marca o meu regresso ao sucesso depois do 25 de Abril. Ainda hoje, faz parte do meu repertório e todo o público sabe a letra, "Oh mocidade, mocidade". A Oração também é muito especial.

Quantos discos gravou?
Nem sei, centenas!

Como vê a música que hoje se faz em Portugal?
Bem, é fruto da época. Mas, salvo algumas excepções, há menos qualidade no aspecto melódico, naquilo que se chama "ficar no ouvido".

É difícil imaginá-lo a ouvir hip-hop ou rap.
Pois, não faz o meu género. Estava a ver o Frank Sinatra, se fosse vivo, a fazer isso?

O que acha dos portugueses cantarem em inglês?
Discordo, mas compreendo. Eu também canto, mas só se estiver numa digressão lá fora, cá não faz sentido.

pub
Como foi participar no Circo das Celebridades?
Eu gosto muito de circo, actuei em vários e tenho grandes amigos nas velhas famílias circenses. Por isso, esta experiência do reality show foi óptima. Ainda lá estive quatro semanas, com o José Castelo Branco e a famosa Marta do primeiro Big Brother.

Qual foi o momento mais marcante?
Empenhei-me nos trabalhos artísticos, fiz de ilusionista, domador de cavalos e duas vezes de palhaço, que foi o que mais adorei. Penso que tenho jeito para palhaço. Sempre gostei de palhaços, mas nunca pensei que pudesse vir a representar um.

Não me diga que tirou uma pomba da cartola?
Correu-me bem, não fiz isso mas transformei uma pomba num caniche! (Risos)

Quem é que agora o convida para actuar?
As empresas de espectáculos, continuo a cantar e a sair duas ou três vezes por ano para o estrangeiro.

Gosta da chamada música pimba?
Resolveram rotular assim, não percebo porquê. São musicas divertidas, tudo depende do sítio em que se está. Os próprios universitários quando se querem divertir procuram esse género. Olhe, o Quim Barreiros não tem mãos a medir.

pub
Mas imagina-se a cantar Quim Barreiros?
Não, não. "Oh Mariazinha deixa-me ir à cozinha" não é para mim.

Para o ano, pensa lançar uma autobiografia. Vai ser um livro picante?
Vai ter muitas histórias bonitas, coisas que fui apontando em caderninhos ao longo da vida.

Como é o seu dia-a-dia?
Duas vezes por semana ensaio com a minha banda. Faço ginástica quase todos os dias e passei a gostar de me levantar cedo. Deixei a vida de boémia, mas quando saio ainda é de caixão à cova. Vivo na Aroeira, rodeado pela família.



Recentemente, deu um concerto no Maxime. Que tal foi regressar a esse palco?
Tinha lá actuado nos anos 60, na época de ouro. O público de agora também foi fabuloso e o concerto foi memorável. Espero voltar em Setembro ou em Outubro.

pub
Qual é o seu maior sonho?
Fazer uma telenovela, desde que o papel não me faça cair no ridículo.

Pensa deixar de cantar?
Nunca pensei nisso a sério. Enquanto sentir que tenho voz e público, não deixo. Talvez a meta ideal seja, no máximo, os 75 anos. Mas agora quero apostar na representação.

Ainda o vamos ver num filme sobre a sua vida?
Por que não? Tinham era de arranjar um actor para fazer de Calvário mais jovem. Em tempos, chegou a pensar-se nisso, mas o final era ficção. E era triste, eu acabava na decadência.

Sente que isso lhe pode acontecer?
Tudo pode acontecer, mas agora acho que não. Até estou arrepiado! Começava comigo velho, abandonado num banco de jardim, e uma senhora a oferecer-me uma flor. Eu recebia e lembrava-me dos ramos e das glórias que recebera.

Que triste! É um desiludido da vida?
Não, hoje faria outro final.

pub
Que título lhe daria?
Acho que lhe chamava Canção de uma vida.

Entrevista publicada originalmente na revista SÁBADO nº 170, de 2 de Agosto de 2007


pub
pub