Um terço da população não consegue pagar logo uma despesa inesperada

Um terço da população não consegue pagar logo uma despesa inesperada
Leonor Riso 26 de novembro de 2019

Num inquérito do INE, 18,9% disse não ter dinheiro para manter a casa adequadamente aquecida. 40% assumiram viver em agregados familiares sem capacidade para pagar uma semana de férias por ano fora de casa.

17,2% das pessoas em Portugal estão em risco de pobreza, revelou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). A percentagem corresponde aos habitantes com rendimentos inferiores a €501 por mês – mais €34 do que no ano anterior – e inferiores a €6.014 anuais. O inquérito às Condições de Vida e Rendimento do INE foi realizado em 2019 sobre rendimentos do ano anterior.

O INE inquiriu 15.454 famílias (33.081 pessoas). Entre estas, 33% revelaram viver em agregados familiares que não são capazes de "assegurar o pagamento imediato, sem usar um empréstimo, de uma despesa inesperada de €470" – o valor mensal da linha de pobreza. Em 2018, a proporção era de 34,7% para uma despesa inesperada de €450.

40% assumiram viver em agregados familiares sem capacidade para pagar uma semana de férias por ano fora de casa. 18,9% não tem dinheiro para manter a casa adequadamente aquecida e 5,8% não consegue pagar atempadamente rendas, encargos ou despesas correntes, adianta o INE.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais