Netflix defende filme 365 Dias, acusado de glorificar o tráfico sexual

Netflix defende filme 365 Dias, acusado de glorificar o tráfico sexual
SÁBADO 03 de julho de 2020

Cantora Duffy escreveu uma carta em que pede que o filme seja retirado da plataforma. Este ano, a artista divulgou o seu testemunho sobre ter sido raptada e violada.


A Netflix defendeu esta sexta-feira o filme 365 Dias, cuja retirada do serviço de streaming está a ser pedida pela cantora britânica Duffy, entre outros. Duffy considerou que o filme glorificava "a realidade brutal do tráfico sexual, rapto e violação". 

Na quinta-feira, dia 2 de julho, Duffy divulgou uma carta aberta a Reed Hastings, diretor da Netflix, a levantar preocupações sobre o filme baseado numa trilogia de livros escritos por Blanka Lipinska. 

O filme é descrito como um "drama erótico" e relata a história de uma mulher, encarnada pela atriz polaca Anna-Maria Sieklucka, que é feita refém por um mafioso siciliano, interpretado pelo ator italiano Michele Morrone. Este dá um ano à refém para que se apaixone por ele. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais