Luís Augusto Rohde: “As crianças hiperativas precisam de usar fones nos testes”

Luís Augusto Rohde: “As crianças hiperativas precisam de usar fones nos testes”
Vanda Marques 27 de abril de 2019

O psiquiatra especialista em Perturbação de Hiperatividade/Défice de Atenção – e que participou na atualização do mais importante manual de saúde mental – defende que ainda há muitos mitos sobre a doença.

Mais preguiçosos, mal comportados e mimados pelos pais. Os mitos em torno deste transtorno são muitos. Mas a Perturbação da Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA) está na origem de vários problemas. Por exemplo, as crianças com este transtorno têm mais acidentes domésticos e menos autoestima. Os adultos têm mais problemas profissionais, e maior probabilidade de contraírem doenças sexualmente transmissíveis, devido à sua impulsividade. Até a taxa de divórcios é maior – 2,4 mais vezes. Quem o diz é Luís Augusto Rohde, psiquiatra e presidente da Federação Mundial da doença. O especialista brasileiro, de Porto Alegre, explica que estes temas vão ser debatidos no 7º Congresso Mundial de PHDA, que acontece em Lisboa, entre dia 25 e 28 de abril. E que não existe um excesso de medicação nas crianças. Mas reconhece que, em escolas privadas, no Brasil, os pais pedem que os médicos lhes prescrevam estimulantes para melhorarem resultados.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais