Jovem de etnia cigana obriga autocarro a transportar mulher em cadeira de rodas

Jovem de etnia cigana obriga autocarro a transportar mulher em cadeira de rodas
Markus Almeida 02 de julho

730 da Carris recusou transportar passageira com mobilidade reduzida, alegadamente devido a avaria na rampa de acesso. Vendo a mulher desamparada, um automobilista atravessou-se à frente do autocarro, saiu e ajudou-a a entrar.

Não era a primeira vez que Maiury Serrano via a mulher na sua cadeira de rodas à espera do 730, na paragem da Picheleira (Qta. Lavrado), entre as Olaias e o Cemitério do Alto de São João. Reparara nela antes, não só por causa da cadeira, mas também pela perna amputada que lhe reduzira a mobilidade. Geralmente via-a acompanhada. Desta vez estava sozinha.

"Quando cheguei ao cruzamento vi o autocarro parado, vi a senhora na sua cadeira, indefesa, e vi o autocarro arrancar enquanto ela se aproximava da porta", conta Maiury, de 26 anos.

"Aí entrei em sentido contrário, porque vi a senhora a olhar para o autocarro que se afastava, e perguntei-lhe se queria que eu o parasse. Respondeu que sim e nesse momento meti-me à frente", relata o morador da Quinta do Lavrado.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais