"Este Joël Dicker é um choque elétrico para o leitor"

André Santos 09 de julho de 2020

Em O Enigma do Quarto 622, o jovem escritor suíço cria, finalmente, ficção no seu próprio país. Os Alpes suíços são cenário para uma história que envolve banca, espionagem e literatura.

Desde Os Últimos Dias dos Nossos Pais, publicado no início de 2012, que Joël Dicker escolhia o caminho mais fácil. É o próprio que o diz, na entrevista abaixo, quando se refere à dificuldade em escrever sobre Genebra e a Suíça e de as imaginar como locais de ficção.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais