Coronavírus: o melhor é dispensar a empregada doméstica

Coronavírus: o melhor é dispensar a empregada doméstica
Margarida Davim 07 de abril de 2020

Famílias em isolamento devem ou não continuar a contar com os serviços de uma empregada doméstica? Os especialistas explicam o que deve ponderar antes de tomar essa decisão.

Com as famílias fechadas em casa em quarentena, a acumular o teletrabalho com o cuidado das crianças, há quem não dispense a ajuda de uma empregada doméstica ou quem a tenha dispensado e esteja agora a ponderar se deve ou não retomar o serviço. Mas será que isso põe em causa todo o isolamento social feito para evitar a covid-19? Os especialistas ouvidos pela SÁBADO estão divididos, mas dão alguns conselhos a quem não quer ou não pode prescindir deste serviço.

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, é taxativo: "É importante suspender esse serviço, exceção feita a quem precise mesmo dele". O epidemiologista diz que ter uma empregada em casa cai na categoria de "contactos não essenciais" que devem ser evitados.

O risco de ter em casa alguém que vem de fora, muitas vezes em transportes públicos, é grande e será ainda maior "se a pessoa prestar esse serviço noutras casas", avisa Ricardo Mexia, que admite que "cada caso tem de ser avaliado" em função da necessidade de que se revista o serviço prestado.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais