Como é que o gelo chegava a Lisboa há 400 anos?

Como é que o gelo chegava a Lisboa há 400 anos?
Marco Alves 19 de junho de 2018

Muito longe ainda de haver electricidade e congeladores, em pleno e tórrido Verão lisboeta havia sorvetes e bebidas frias. Como tal era possível? É uma longa história de carroças, barcos e animais.

Foi a 6 de Junho de 1775 que Lisboa assistiu a uma das suas maiores festas de sempre. Vinte anos depois do terramoto, era inaugurada a estátua de D. José I, que ainda hoje está no Terreiro do Paço.

A presidir, os dois protagonistas do reerguer da cidade – o Rei e o mais famoso dos seus ministros, o marquês de Pombal. A lista do que se comeu e bebeu é curiosa aos olhos de hoje. Estão lá 194 frangos, 291 frangas, 28 leitoas, 459 galinhas, 230 cocos, 624 arrobas de neve, 170 perus, 26 peruas, 312 pombos e cinco barris de "azeitonas de França e Sevilha".

Desta lista, talvez o leitor mais atento tenha reparado num item: as 624 arrobas (cerca de 9.360 quilos) de neve. Como era possível haver neve em Lisboa no Verão, num século tão distante da era dos congeladores? E para que serviam as "734 colherzinhas para os copos de neve", que também estão na lista?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais