Notícia

EUA

Novo estudo identifica restos mortais de Amelia Earhart

08.03.2018 17:05 por Mariana Branco
Em 1937, o avião que pilotava desapareceu sobre o Pacífico. Agora, um estudo concluiu que as ossadas encontradas em 1940 na ilha Nikumaroro deverão ser da histórica aviadora que tentou tentou dar a volta ao mundo.
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

amelia earhart
Um novo estudo científico, divulgado um dia antes do Dia Internacional da Mulher, concluiu que as ossadas encontradas em 1940 – na ilhaNikumaroro, do Pacífico – deverão ser da histórica aviadora Amelia Earhart.

O estudo Amelia Earhart e os ossos de Nikumaroro, divulgado pela Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos, revelou que os ossos encontrados, que durante anos permaneceram um enigma, podem ser os restos mortais da primeira mulher que tentou dar a volta ao mundo.

Em 1937, o avião que Amelia Earhart pilotava desapareceu sobre o oceano Pacífico.

Em 1940, um crânio humano foi encontrado na ilha de Nikumaroro durante uma expedição britânica. Após uma busca intensiva à área, 13 ossos foram descobertos – foi ainda encontrado o que parecia ser parte do sapato de uma mulher.

Os ossos foram analisados, pelo médico D. W. Hoodless, numa escola de medicina nas Ilhas Fiji. Contudo, a análise apurou que as ossadas pertenciam a um homem, descartando-se a hipótese de se tratar de Amelia Earhart.

pub

O professor emérito Richard Jantz, responsável pelo estudo, acredita que a aviadora naufragou na ilha, onde acabou por morrer. Segundo o professor, que analisou os ossos encontrados na ilha com um programa chamado Fordisc – que faz uma estimativa do sexo e da ascendia com a utilização de estudos métricos do esqueleto –, os ossos da aviadora eram "mais parecidos com os ossos encontrados em Nikumaroro do que os de 99% dos indivíduos de uma grande amostra de referência".

"No caso dos ossos de Nikumaroro, a única pessoa documentada a quem eles podem pertencer é Amelia Earhart", conclui o estudo publicado na revista Forensic Anthropology.


pub
pub