Príncipe Carlos enganado por escândalo de falsificação de arte

Jornal de Negócios 05 de novembro de 2019

A Fundação do príncipe Carlos tinha expostos quadros de Monet, Picasso e Dalí, que não passam de falsificações. As obras já foram retiradas.

O príncipe Carlos viu-se envolvido num escândalo de falsificação de obras de arte, depois de o próprio falsificador ter denunciado a questão, noticiou o Dailymail. Em causa estão obras que foram emprestadas pelo empresário James Stunt à Dumfries House, que pertence à Fundação do príncipe Carlos.

Três quadros avaliados em cerca de 105 milhões de libras foram cedidos, por empréstimo, por James Stunt – ex-marido da herdeira do império da Formula 1, Petra Ecclestone. Havia um Monet, avaliado em 50 milhões de libras, um Picasso, de 42 milhões e um Dalí de 12 milhões de libras.

Contudo, o pintor que reproduziu as obras de arte, Tony Tetro, denunciou o caso. Este artista americano, que está a cumprir uma pena de prisão de seis meses por falsificação de obras de arte, alega ter sido ele próprio a pintar os quadros e diz que James Stunt tinha conhecimento desta realidade. Tony Tetro terá pintado os quadros e vendido-os ao empresário. Por sua vez James Stunt continua a dizer que os quadros são autênticos.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login