“Eu estava a morrer queimada. Era mais do que um desespero”
13 de fevereiroVanda Marques

“Eu estava a morrer queimada. Era mais do que um desespero”

Ana Silveira tem 33 anos e relata como é viver com uma perturbação de difícil diagnóstico que põe a vida em suspenso e que é mais comum nas mulheres. A fisioterapeuta já sabe como combater o vazio que sente e libertou-se de todos os vício.

A Newsletter Geral no seu e-mail
Tudo o que precisa de saber todos os dias. Um resumo de notícias, no seu email. (Enviada diariamente)