Paulo Olavo e Cunha: «Se o árbitro não fosse do Porto, Maxi não acabaria o jogo»
21 de setembro de 2015Record

Paulo Olavo e Cunha: «Se o árbitro não fosse do Porto, Maxi não acabaria o jogo»

Paulo Olavo e Cunha, antigo presidente da Assembleia Geral do Benfica, criticou a escolha de Artur Soares Dias no FC Porto-Benfica. “Maxi Pereira fez uma segunda falta para cartão amarelo. Se o jogo não fosse no Porto e o árbitro não fosse do Porto, estou convencido que não acabaria o jogo. O árbitro não usou o mesmo critério o jogo todo e, com a camisola do Benfica, o Maxi teria sido expulso. Mas ele foi profissional e não foi por isso que o Benfica perdeu", referiu à Rádio Renascença.

Grupos de trabalho recomendam três mudanças ao Governo
28 de dezembro de 2011Record

Grupos de trabalho recomendam três mudanças ao Governo

A profissionalização dos árbitros, a proteção dos jovens atletas nacionais e a criação de um novo tipo de sociedade desportiva são as principais recomendações apresentadas ao Governo por três grupos de trabalho.

A Newsletter SÁBADO É TODOS OS DIAS no seu e-mail
NEWSLETTER EXCLUSIVA PARA ASSINANTES O resumo das notícias pela redação da SÁBADO, sempre ao início da manhã. (Enviada de segunda a sexta)