A Fada Verde

O génio é um ser à parte, infeliz e incapaz de lidar com o quotidiano estrangulador, cujo destino sobre a Terra é sofrer e viver numa solidão terrorífica, vítima expiatória de uma sociedade materialista.

O novo Sócrates

Escolhendo viver à margem dos pactos mundanos e das honrarias, recusando colocar a sua pluma ao serviço dos poderosos, e sofrendo por isso todos os males, Rousseau tornou-se o grande mártir (ou santo laico) da segunda metade do século XVIII.

Filosofia da desgraça

A celebridade e o prestígio popular que alguns pensadores, artistas, escritores e cientistas adquiriram pela monstruosa perseguição de que eram alvo, e pela coragem demonstrada face à corte e aos grandes, tornaram imensamente atractiva a ostentação pública do sofrimento e da desgraça.

Estética da perseguição

Desconcerta ver agora Miguel Sousa Tavares a queixar-se da intolerância alheia e, rodeando-se de mel e borboletas, intitular-se pacifista, quase um monge budista. Porque a verdade é que não consegue suportar a frustração e as contrariedades. As críticas irritam-no.

Humilhado e ofendido

Convencido de que foi escolhido para salvar o país das ameaças estrangeiras e lhe devolver a grandeza perdida, Putin estabeleceu como verdade histórica indiscutível a ideia de que a Rússia foi o principal obreiro da vitória de 1945.

Picadora de carne humana

Há também um quadro emocional ou afectivo que explica esta melancolia soviética (e que talvez contrarie a ideia de que Putin é – ou sempre foi – um monstro frio e empedernido), mas associado ao mar Negro e à Ucrânia.

Mordomos do mundo

Não nos equivoquemos. A influência e o poder dos oligarcas russos não se limitam a Inglaterra nem é um problema exclusivo do capitalismo inglês. É um fenómeno mundial que envolve todo o sistema financeiro internacional.

Os equívocos da esquerda

A esquerda portuguesa fala do nazismo dos ucranianos com todos os pormenores e considerações, mas cala-se a respeito das ligações entre Putin e as figuras representativas do fascismo europeu como Le Pen (França), Salvini (Itália), Wilders (Países Baixos), Orbán (Hungria), bem como de populistas de extrema-direita como Trump e Bolsonaro.

Masculinidade

Desde que se tornou Presidente, em 2000, Putin cultivou sempre a imagem de macho dominador e dominante, alguém que é dono de si próprio, um líder forte, duro e viril, uma máquina de combate ou um super-herói cuja missão é proteger a pátria e devolver-lhe a grandeza perdida.

A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana