Menezes põe-se fora da corrida ao Porto
OntemMargarida Davim

Menezes põe-se fora da corrida ao Porto

O nome de Luís Filipe Menezes tem sido falado como hipótese para encabeçar uma lista do PSD à Câmara do Porto. Mas o ex-autarca de Gaia garante que nunca mais será candidato a nada e revela que tem dado conselhos a Rui Rio.

A guerra colonial não acabou

O debate sobre a guerra colonial não deve ser feito pela manipulação ideológica da esquerda ou da direita. Deve ser feito com mais rigor e menos subjetividade. Deve ser um debate de reconciliação entre portugueses, não de ódio e vingança

Toda a história de um grupo de traficantes amadores
24 de fevereiroAntónio José Vilela

Toda a história de um grupo de traficantes amadores

A Polícia Judiciária esteve quase dois anos à espera que um grupo de empresários e pescadores fizesse um transporte de droga. Os suspeitos falharam várias ações e até tiveram de afundar um barco – foram salvos pela Força Aérea - para disfarçar uma ação mal feita que os colocou sob pressão de narcotraficantes espanhóis, colombianos, marroquinos e sérvios. No fim, o suspeito nº1 português não foi detido.

Como Angola dominou os bancos portugueses
22 de fevereiroAntónio José Vilela

Como Angola dominou os bancos portugueses

O braço de ferro durou anos. Houve pressões, jogos de bastidores e muito dinheiro envolvido. Os milhões de Angola colocados na banca nunca tiveram uma origem bem definida: eram do Estado e de figuras poderosas do regime liderado por José Eduardo dos Santos. Estas são as histórias dos esquemas cruzados, offshores, lavagem de dinheiro e relações perigosas.

O 4 de fevereiro em Angola: a história de uma conspiração
22 de fevereiroAntónio Luís Marinho

O 4 de fevereiro em Angola: a história de uma conspiração

Há 60 anos, o assalto às prisões de Luanda falhou, mas tornou-se o símbolo do arranque da luta pela independência. A SÁBADO conta-lhe episódios desconhecidos, as superstições e os segredos dos preparativos. Parte 1.

5
O caderno de encargos dos independentes para as autárquicas
19 de fevereiroMargarida Davim

O caderno de encargos dos independentes para as autárquicas

Rui Moreira queixou-se, a Associação Nacional dos Movimentos Independentes (AMAI) considera que a lei aprovada há menos de um ano é inconstitucional, o PS abriu a porta a mudanças que Rui Rio não rejeita à partida. Mas afinal o que querem os independentes?

A Newsletter Geral no seu e-mail
Tudo o que precisa de saber todos os dias. Um resumo de notícias, no seu email. (Enviada diariamente)