As mulheres da jihad

Foram polícias da moral e dos costumes, recrutadoras e propagandistas. Podem até ter estado só a cuidar da casa, dos maridos e dos filhos - mas foram parte ativa, e fundamental, de um grupo terrorista. É preciso não olhar para elas apenas como vítimas

A Newsletter Geral no seu e-mail
Tudo o que precisa de saber todos os dias. Um resumo de notícias, no seu email. (Enviada diariamente)