Emma Donoghue: 'Todos os meus livros são feministas'
12 de abrilRita Bertrand

Emma Donoghue: "Todos os meus livros são feministas"

A autora de O Quarto de Jack terminou em março de 2020 um romance sobre a pandemia que afetou o mundo em 1918. Não imaginava que vinha aí a covid. A Dança das Estrelas tem agora edição portuguesa.

O que fazem os artistas às obras de que não gostam?
11 de abrilPaulo Barriga e Vanda Marques

O que fazem os artistas às obras de que não gostam?

O que fazem os escritores, poetas, estilistas, pintores, guionistas e compositores às criações de que não gostam? Deitam-nas ao lixo parece ser a resposta mais recorrente. Mas há quem as recorte, queime ou pinte por cima.

Agnès Callamard, a destemida nova líder da Amnistia Internacional
09 de abrilRicardo Santos

Agnès Callamard, a destemida nova líder da Amnistia Internacional

A Amnistia Internacional tem nova secretária-geral. Francesa, com 56 anos, neta de um membro da Resistência fuzilado durante a II Guerra Mundial, a até agora relatora especial da ONU, Agnès Callamard, tem uma carreira invejável na área dos direitos humanos e da liberdade de expressão. É persona non grata na Arábia Saudita e o presidente das Filipinas já lhe prometeu umas bofetadas.

Sexo na cozinha

Na sociedade reprimida salazarista, fazer sexo noutro móvel que não fosse a cama tinha um alcance revolucionário, simbolizava a libertação sexual do casal e a subversão da ordem imposta pelo Estado Novo. Daí que as mesas amplas tenham sido proibidas pela censura

“A gente reforma-se e quê, vai para casa?”
28 de marçoFilipa Teixeira

“A gente reforma-se e quê, vai para casa?”

São os gestores há mais tempo a liderar uma empresa do PSI-20, a Ibersol. A SÁBADO apanhou-os (quase) desprevenidos, numa conversa que foi dos tempos da Sonae aos desafios da pandemia – e que ainda passou pelo jornalismo.

A irmã do rei e Salazar: “O telefone do meu quarto tem o número 842021”
10 de marçoMarco Alves

A irmã do rei e Salazar: “O telefone do meu quarto tem o número 842021”

Durante 28 anos, Filipa de Bragança combinou encontros com Salazar, pediu favores para amigos, para a Casa Real e para D. Duarte Pio. As cartas que escreveu ao ditador revelam uma grande cumplicidade e intimidade (inclusive com indicações para ele lhe ligar para o quarto às 23h), e quando Salazar morreu tentou desesperadamente reavê-las. O que se passou entre os dois?

A Newsletter Geral no seu e-mail
Tudo o que precisa de saber todos os dias. Um resumo de notícias, no seu email. (Enviada diariamente)