Um furão português chamado Covid
17 de dezembro de 2021Leonor Riso

Um furão português chamado Covid

A pandemia inspirou os nomes de alguns animais de estimação em Portugal: em março de 2020, deu-se o primeiro registo de Covid. E sabe quais são os nomes mais comuns entre os animais portugueses?

Fátima Roque e os anos da UNITA: “Não quiseram matar-me”
13 de dezembro de 2021João Carlos Barradas

Fátima Roque e os anos da UNITA: “Não quiseram matar-me”

Branca, académica reconhecida e muito rica, conheceu a Jamba e teve a confiança de Jonas Savimbi. E escreveu agora as memórias dos tempos em que a então maoísta Fati se tornou guerrilheira da UNITA, arriscou e teve a vida por um fio. Acabou expulsa e nunca quis ver a imagem final do corpo do “Mais Velho”.

Governo chinês diz desconhecer caso da tenista Peng Shuai
19 de novembro de 2021Lusa

Governo chinês diz desconhecer caso da tenista Peng Shuai

O Governo Chinês diz desconhecer o caso que levou ao desaparecimento da tenista Peng Shuai. Uma mensagem difundida pela rede social Twitter da televisão estatal chinesa CGTN, a tenista garante estar bem e a descansar.

A vida às escondidas. Os judeus perseguidos pela PIDE
18 de agosto de 2021Marco Alves

A vida às escondidas. Os judeus perseguidos pela PIDE

Nas décadas de 1930 e 40, e pela primeira vez em muito tempo, os judeus foram um problema em Portugal. A polícia política andava atrás deles e tentou devolver alguns à precedência. Foram meses (às vezes anos) de pressão e angústia até escaparem de vez.

Sanzala Mihinjo, Abril de 1961
30 de maio de 2021António Araújo

Sanzala Mihinjo, Abril de 1961

Tomada a decisão, em breves instantes apenas fuzilaram cinco vidas. Dos cadáveres então feitos cortaram as cabeças. E depois o soba colocou as cabeças nos paus, onde ficaram expostas sete dias. Os paus, esses, permaneceram para sempre, à vista de todos, na Sanzala Mihinjo, Abril de 1961.

4
Guerra colonial: Portugal orgulhosamente só
17 de abril de 2021António Araújo

Guerra colonial: Portugal orgulhosamente só

O uso de bombas incendiárias na guerra colonial foi alvo de denúncias e condenações da ONU. O cerco apertou-se no cenário internacional.

O 4 de fevereiro em Angola: a história de uma conspiração
22 de fevereiro de 2021António Luís Marinho

O 4 de fevereiro em Angola: a história de uma conspiração

Há 60 anos, o assalto às prisões de Luanda falhou, mas tornou-se o símbolo do arranque da luta pela independência. A SÁBADO conta-lhe episódios desconhecidos, as superstições e os segredos dos preparativos. Parte 1.

A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana