Notícia

Orçamento

Rio diz que "taxa Robles" "não é ideia disparatada"

11.09.2018 13:32 por Margarida Davim
O PS já disse que não apoia a ideia de uma taxa para travar a especulação imobiliária.
Foto: Sábado
Foto: ANTÓNIO COTRIM/LUSA
Foto: Lusa

O CDS chamou-lhe a "taxa Robles" e o PS já anunciou que não vê com bons olhos a criação de uma taxa para travar a especulação imbiliária. Mas o líder do PSD não rejeita "liminarmente" a possibilidade de taxar quem compra imóveis com o objectivo de garantir mais-valias milionárias num curto espaço de tempo.

"Com isto não estou a dizer que somos favoráveis aquilo que possa vir a ser proposto pelo Bloco de Esquerda, agora não rejeito liminarmente, não é assim uma coisa tão disparatada, porque, efectivamente, uma coisa é comprarmos e mantermos durante 'x' tempo e outra coisa é andarmos a comprar e a vender todos os dias só para gerar uma mais-valia meramente artificial", afirmou Rio, citado pela agência Lusa no final de uma reunião com o bastonário da Ordem dos Psicólogos, no Porto.

Rio diz que não olha para as propostas por virem da esquerda ou da direita, mas pelo seu mérito próprio e defende que "às vezes deve intervir para ajudar a regular o mercado", abrindo a porta a que essa regulação se faça através de uma taxa para travar a especulação que está a fazer disparar o preço da habitação em Lisboa e no Porto. "O mercado ajusta tudo, isso é verdade, mas ajusta tudo com preços sociais brutais muitas vezes", reconheceu o líder social-democrata.

"Não estou a dizer que sou favorável, mas não rejeito liminarmente, não é uma ideia tão disparatada, nem eu posso dizer que a ideia é disparatada porque vem da esquerda e se viesse da direita era menos disparatada. Não é assim que oriento os meus pensamentos", insistiu Rui Rio.

PS não aprovará medida proposta pelo BE
Se Rui Rio vê mérito na proposta bloquista, o PS já fez saber que a ideia que o BE começou a desenvolver em Maio - ainda antes de rebentar o caso Robles - não terá o apoio dos socialistas.

pub
"A especulação não se combate com uma taxa que é uma repetição do imposto de mais-valias que já existe. A especulação combate-se eficazmente com o aumento de oferta de habitação acessível, como o Governo propôs e aguarda aprovação na Assembleia da República", afirmou o líder parlamentar socialista Carlos César, em declarações à Lusa.

Segundo adiantou a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, esta medida já estava a ser negociada desde maio, e inspirou-.se na tributação "dos movimentos da especulação em bolsa".

Não são ainda, porém, conhecidos os contornos concretos da medida proposta pelo BE para saber que taxa poderia ser aplicada ou a partir de que valores de mais-valias geradas ou de tempo.



pub
pub