Notícia

Política

BE quer saber se Costa tem medo de combater desigualdade salarial

05.09.2018 13:29 por Margarida Davim
Pedro Filipe Soares lança um desafio directo ao primeiro-ministro para combater a desigualdade salarial nas empresas.
Foto: Lusa
Foto: Lusa
Foto: Manuel de Almeida/Lusa
Foto: Nuno Veiga/Lusa
Foto: Lusa

Pedro Filipe Soares geral Bloco de Esquerda
O BE não quer esperar mais para fazer combater a desigualdade salarial nas empresas e agendou um debate para 28 de Setembro sobre o tema.
Pedro Filipe Soares, líder parlamentar bloquista, afirma que este "é um debate fundamental para o país" e a altura ideal para António Costa dar resposta concreta às preocupações sobre salários que deixou na última entrevista ao Expresso.
O dirigente do BE quer mesmo saber "se [o primeiro-ministro] vai ficar com medo de fazer esse combate" depois das declarações dos patrões que defenderam que não cabe ao Estado interferir nos salários pagos pelos privados.
António Costa já sinalizou estar preocupado com o problema, mas foi o BE que entregou entretanto um projecto de lei para definir "leques salariais" para áreas laborais, promover a transparência em matéria de salários e penalizar as empresas que pratiquem as maiores disparidades.
"Se olhar para o Estado e comparar o ordenado do senhor Presidente da República, que é o topo do Estado, ele é 17 vezes o salário mínimo nacional e cinco vezes o salário médio. Mas se for às empresas do PSI-20, a diferença entre o ordenado mais alto e o salário mínimo é de cem vezes e, relativamente ao salário médio, é 37 vezes. E se for a uma empresa tipo EDP vai ver que o salário de topo é 210 vezes o salário mínimo. Não é aceitável esta disparidade", disse Costa em entrevista ao Expresso.
O projecto do BE deixa ao Governo a definição dos leques salariais, mas prevê que as empresas sejam punidas quando violarem esses limites, afastando-as da possibilidade de entrar em concursos públicos e de aceder a apoios do Estado.


pub
pub