“Vão morrer pessoas a andar de trotinete em Lisboa”

Leonor Riso , Carlos Rodrigues Lima 02 de novembro de 2018

O advogado Paulo Simão Caldas sofreu um traumatismo craniano e várias fracturas porque a sua trotinete ficou sem travões. Foi parar ao hospital e exige responsabilidades à empresa Lime e à CML.

No primeiro dia em que Paulo Simão Caldas, advogado de 57 anos, experimentou as trotinetes da Lime em Lisboa, partiu o braço, uma costela e fez um traumatismo craniano. "Vão morrer pessoas a andar de trotinete em Lisboa", avisa.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais