Tribunal considera que existe "perigo de fuga" de suspeitos de morte de Luís Grilo

Lusa 29 de setembro de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de janeiro
As mais lidas

Foi aplicada a medida de prisão preventiva aos dois suspeitos da morte de Luís Grilo, que são Rosa Grilo (mulher da vítima) e António Joaquim (seu alegado cúmplice e amante).

O tribunal que aplicou hoje a medida de prisão preventiva  aos dois suspeitos da morte de Luís Grilo considerou que se verificaram todos os pressupostos dos crimes imputados, homicídio qualificado, profanação de cadáver e posse de arma proibida.

Em comunicado divulgado após a inquirição dos arguidos Rosa Grilo (mulher da vítima) e António Joaquim, alegado cúmplice desta, o tribunal de Vila Franca de Xira refere que se verificam ainda os perigos constantes no artigo 204 do Código de Processo Penal (CPP) que justificam a aplicação da prisão preventiva, a mais gravosa das medidas de coação, previstas no CPP.

A nota do tribunal adianta ainda que existe "perigo de fuga, perigo de perturbação do decurso do inquérito (mormente na vertente de aquisição, conservação e veracidade da prova) e perigo de perturbação da ordem e da tranquilidade pública (atendendo à natureza dos ilícitos em causa e a visibilidade social que a prática daqueles crimes implica)".

Reunidos todos estes pressupostos e verificados os elementos objectivos e subjectivos da prática dos crimes de homicídio qualificado, profanação de cadáver e posse de arma proibida, o tribunal decidiu aplicar a prisão preventiva aos arguidos enquanto decorre o inquérito-crime, dirigido pelo Ministério Público.

O interrogatório judicial aos dois suspeitos da morte do triatleta teve início na sexta-feira, no Tribunal de Vila Franca de Xira, pela juíza de instrução criminal Andreia Valadas, indicou à Lusa a advogada dos arguidos, Tânia Reis.

Rosa Grilo, de 43 anos, e António Joaquim, de 42 anos, chegaram ao tribunal na sexta-feira, às 13:45, perante o olhar de dezenas de populares, tendo havido vaias e insultos.

Ambos foram detidos na quarta-feira à noite pela PJ.

Luís Grilo, de 50 anos, residente na localidade das Cachoeiras, no concelho de Vila Franca de Xira, distrito de Lisboa, desapareceu em 16 de Julho.

O corpo do triatleta foi encontrado com sinais de violência e em adiantado estado de decomposição, mais de um mês depois do desaparecimento, no concelho de Avis, distrito de Portalegre, a mais de 130 quilómetros da sua casa.

O cadáver foi encontrado perto de Alcôrrego, num caminho de terra batida, junto à Estrada Municipal 1070, por um popular que fazia uma caminhada na zona e que alertou o posto de Avis da GNR para esta ocorrência.

Antes, o telemóvel da vítima tinha sido encontrado nos Casais da Marmeleira, a seis quilómetros de casa, já no concelho de Alenquer.

Segundo a PJ, Luís Grilo foi morto com um tiro na cabeça, acrescentando que a arma de fogo já foi recuperada, assim como outros elementos de prova.

"A investigação apurou que os factos terão ocorrido no passado dia 15 de Julho, tendo a vítima sido atingida por um disparo de arma de fogo na caixa craniana, o qual lhe terá provocado a morte", indicou a PJ em comunicado divulgado na quinta-feira.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais