Rui Pinto: whistleblower ou criminoso?

Rui Pinto: whistleblower ou criminoso?
Diogo Barreto 23 de janeiro de 2019

Os advogados do hacker que admitiu estar por trás dos Football Leaks querem que o seu cliente seja considerado um denunciante. Ricardo Sá Fernandes diz que é uma hipótese. Rui Pereira diz que é impensável.

Rui Pinto: vilão ou herói? Whistleblower ou criminoso? As opiniões continuam a divergir, com muitos a aplaudirem a atuação do hacker português e outros a criticarem-na. Os advogados do português detido em Budapeste, Hungria, informaram que, no seu entender, o seu cliente "cumpre todos os critérios de proteção dos denunciantes (whistleblowers), resultantes das últimas disposições da legislação europeia e de muitos países europeus". No entanto, nem todos os advogados partilham desta opinião. Os juristas Ricardo Sá Fernandes, Rui Pereira e Rogério Alves partilharam com a SÁBADO o seu entendimento sobre o caso.

Nma coisa, os três causídicos concordam: na base da denúncia feita por Rui Pinto no âmbito do Football Leaks parece estar um crime. O hacker português terá tido acesso ilegítimo a bases de dados de diferentes clubes de futebol europeu que acabou por divulgar na Internet, dando origem a um mega-processo que já levou a julgamentos várias personalidades do mundo do futebol, como Cristiano Ronaldo, José Mourinho ou Lionel Messi.

Mas no que toca ao estatuto de whistleblower, nem todos os especialistas contactados pela SÁBADO mostram ter a mesma opinião. Ricardo Sá Fernandes não põe de lado a hipótese a que este estatuto seja concedido a Rui Pinto, posição que é defendida pela eurodeputada socialista Ana Gomes. Já Rui Pereira não encontra motivos para que o hacker possa ser abrangido pela legislação referente aos denunciantes. Rogério Alves não põe de parte a hipótese de que Rui Pinto seja mesmo um whistleblower, mas reforça que deve ser sempre lembrado que cometeu um crime.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais