Quem são as mulheres e os filhos dos portugueses da jihad

Quem são as mulheres e os filhos dos portugueses da jihad
Nuno Tiago Pinto 24 de novembro de 2018

As autoridades identificaram oito raparigas que viajaram para a Síria com os portugueses do Estado Islâmico. Algumas levaram as crianças nascidas em Portugal, no Reino Unido e na Tanzânia – ao todo estão sinalizadas 15 menores. Sem contar com as luso-descendentes e os seus filhos.

Chamam-se Fatuma, Seri, Reema, Sabina, Mayibongwe, Zara, Ruzina e Ângela. Nasceram em locais tão diferentes como Tanzânia, Indonésia, Reino Unido, Alemanha, Zimbabwe e Holanda. Têm actualmente entre 23 e 30 anos e em comum o facto de terem casado – em cerimónia civil ou apenas religiosa – com um dos portugueses que se juntaram ao autoproclamado Estado Islâmico (EI): os irmãos Celso e Edgar Rodrigues da Costa, Fábio Poças, Sandro Marques e Sadjo Turé. Todas elas, bem como as 15 crianças que nasceram dessas relações, foram identificadas pelas forças e pelos serviços de segurança portugueses devido a uma possibilidade cada vez mais real: o seu regresso à Europa e a Portugal, onde as famílias dos respectivos maridos estarão dispostas a acolhê-las.

Esta lista, confirmada pela SÁBADO ao longo dos últimos meses, através do cruzamento de várias fontes, em Portugal e na Europa, não é ainda definitiva. A estas mulheres há ainda que juntar, pelo menos, mais dois nomes: Catarina Almeida, uma portuguesa que foi para a Síria tentar salvar o filho, Dylan Almeida; e Vani Cheriff, uma luso-descendente que casou com um combatente tunisino já falecido e com quem teve três filhos. Ambas estão no campo de refugiados de Roj (Catarina com o neto), controlado pelas milícias curdas YPG. Existirão outras, como as mulheres e os filhos de Nero Saraiva, cuja identidade a SÁBADO não conseguiu apurar, ou os filhos de Luís Carlos Almeida (já falecido), Steve Duarte ou Mikael dos Santos (desaparecidos).

Do grupo de cinco jihadistas portugueses originários da região da Grande Lisboa e que se radicalizaram no Reino Unido, o primeiro a ter filhos foi Sadjo Turé. Nascido a 24 de Dezembro de 1979 na Guiné -Bissau, era o mais velho do grupo e o único criado como muçulmano. Depois de crescer na Linha de Sintra, onde fez parte do grupo de hip-hop Greguz du Shabba, mudou-se para Londres entre 2005 e 2006 e instalou-se num apartamento em Creighton Road, na zona norte da capital britânica. Mais tarde mudou-se para a zona de Leyton.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais