Páginas do Chega apelam ao voto em Tino de Rans

Ex-dirigentes locais do Chega retiraram o voto a André Ventura e passam a apoiar Vitorino Silva. Páginas oficiais de concelhias de Leiria prestam agora apoio ao candidato de Rans. Ventura pondera ação judicial.

Quem entrar na página da concelhia do Bombarral do partido Chega, ficará surpreendido por encontrar na fotografia de perfil: "Vote Vitorino Silva, para um Portugal Melhor." Várias páginas de concelhias do Chega do distrito de Leiria, como Nazaré, Caldas da Rainha, Óbidos, Pombal, Ansião e Bombarral, viraram páginas de apoio ao candidato presidencial Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans. 

"Isto é um protesto e uma forma de alertar as pessoas que estão indecisas, tentar dissuadi-las. Essas pessoas estão iludidas com o Chega como nós estávamos e depois percebemos que o André Ventura tem dois discursos. Diz o que o povo quer ouvir, mas é só isso", frisou à SÁBADO um ex-membro da concelhia da Nazaré, que preferiu manter o anonimato. "Ventura já não é o nosso líder."

Muitos dissidentes do Chega, alguns deles gestores destas páginas de Facebook, decidiram retirar o seu apoio a André Ventura e passaram a apoiar publicamente o candidato de Rans. Tiago Sousa, ex-líder da concelhia do Bombarral, abandonou o partido após "o vergonhosos congresso em Évora", como descreveu à SÁBADO, e diz que prefere o Tino de Rans porque "é o único candidato antisistema." "É verdade que somos de um antissistema mais à direita, mas à falta de alguém melhor... é o Tino que escolhemos. Ele é uma pessoa do povo e pelo menos faz as coisas com transparência", concretizou.

De dirigente do Chega a apoiante de Tino

"O único candidato sério, alérgico ao sistema, e que trabalha no duro. Este sim." Esta frase foi subscrita por Rodrigo Freire, ex-líder da distrital de Leiria do partido Chega, numa publicação de Facebook de dia 29 de dezembro. Contudo, não se refere ao candidato André Ventura — mas sim a Tino de Rans. "Carrega Tino", escreveu o ex-dirigente local, noutra publicação. Não respondeu ao contacto da SÁBADO. 

Também o ex-presidente da mesa da Assembleia da distrital de Setúbal do Chega, Bento Marçal Martins, passou o seu apoio para Vitorino Silva. "Voto no Tino porque não tem telhados de vidro. É simples e vem do povo, como as pessoas que integraram o Chega no início. Atualmente é melhor votar no Tino do que nele", explicou à SÁBADO o ex-dirigente distrital, que fez parte da organização do lançamento de candidatura presidencial de André Ventura em Portalegre. Marçal Martins foi a primeira vítima da "lei da rolha", diretiva que dá poder à cúpula do Chega para suspender militantes que critiquem o partido (e respetivos dirigentes) nas redes sociais, imprensa e "seja em que contexto for". 

À SÁBADO, André Ventura afirma que "trata-se de um roubo". "É uma usurpação por parte de vários antigos membros do partido e, se necessário, vamos agir judicialmente para corrigir a situação", concretiza.

Já Tino de Rans nega qualquer envolvimento nesta situação: "Não saiu da nossa candidatura. Não temos nada a ver com isso, não tenho nada a ver com o Chega", explicou à SÁBADO, via chamada telefónica. Mais tarde, por mensagem, reforçou a ideia: "Não estou em nada relacionado com o Chega, e como penso que ficou claro, tenho defendido as minhas ideas, que em muitos pontos não coincidem com as de André Ventura. Fico feliz em ter a confiança das pessoas. Um voto em mim é um voto pela democracia, pela igualdade, pela liberdade e por um Portugal sem extremos." 


Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais