"Os casamentos forçados entre ciganos são um mito"

'Os casamentos forçados entre ciganos são um mito'
Diogo Barreto 12 de março de 2019

Vai ser lida hoje a sentença de um caso de casamento forçado entre uma rapariga de 19 anos e um homem de 29, que foi instigado pelo pai da jovem. A presidente da associação Letras Nómadas diz que pessoas que forçam alguém a casar "têm algum atraso".

Vai ser lida hoje a sentença de um pai e de um ex-recluso que obrigaram uma jovem de 19 anos. J., a casar-se e a ser violada pelo marido. Ao todo, oito arguidos foram acusados dos crimes de violação, rapto e casamento forçado, ocorridos no Natal de 2017. À SÁBADO, a presidente da Associação Letras Nómadas rejeita que o casamento forçado seja uma prática entre as comunidades ciganas portuguesas. 

Olga Mariano, a presidente da Letras Nómadas - Associação de Investigação e Dinamização das Comunidades Ciganas, condena por inteiro a alegada atuação dos dois homens, referindo que "a existência de casamentos forçados nas comunidades ciganas é um mito" e que nunca seria consentida nas comunidades portuguesas que conhece. "As jovens ciganas em Portugal casam com quem, onde e quiserem", acrescenta.

J., que estava institucionalizada em Braga, tinha manifestado vontade de afastar-se da comunidade cigana e mantinha um namoro contra a vontade do pai – que estava preso. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais