Nunca se chumbou tão pouco em Portugal

Nunca se chumbou tão pouco em Portugal
Diogo Barreto 03 de julho de 2018

Novos dados mostram que os anos mais difíceis são o 12.º e o 7.º no ensino secundário e básico, respectivamente.

A taxa de chumbos e desistências escolares continuam em rota decrescente em todos os anos da escolaridade obrigatória, excepto no 11.º ano, mostra o balanço anual da Direcção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (DGEEC ) relativo a 2016/17. 

Durante o período analisado - os últimos 17 anos -, nunca houve tão poucos alunos a ficarem pelo caminho, em termos percentuais. No ensino básico (do 1.º ao 9.º ano) apenas 5,5% das crianças não transaccionaram de ano. No secundário (10.º a 12.º), esse valor aumenta para os 15,1%.

Em 2001, a taxa de retenção e de desistência atingia 12,7% dos alunos no básico e os 39,4% dos alunos do secundário, cita o jornal Público.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais