Máscaras, teletrabalho, higiene nos transportes: as pistas de Costa para o futuro

Máscaras, teletrabalho, higiene nos transportes: as pistas de Costa para o futuro
Leonor Riso 16 de abril de 2020

No seu discurso no Parlamento, o primeiro-ministro abordou vários exemplos de adaptação à pandemia do novo coronavírus.

No seu discurso no Parlamento, antes da votação da segunda renovação do estado de emergência em Portugal, António Costa traçou várias linhas para o que será o futuro em Portugal durante a pandemia do novo coronavírus, do uso de máscaras massificado a normas de higienização a aplicar nos transportes, passando por novas formas de trabalhar. 

"Em menos de um ano, ano e meio não vamos ter uma vacina disponível no mercado. Vamos ter que viver ano, ano e meio com a ameaça permanente deste vírus e portanto, de pandemia", afirmou o primeiro-ministro. "Não podemos viver mais um ano, ano e meio em estado de emergência permanente ou de contenção continuado. Os próximos quinze dias são decisivos para podermos preparar o que vai ser o nosso ano, ano e meio."

Uso de máscaras massificado
Costa frisou que a normalidade só chegará com uma vacina. Porém, é possível chegar a certas condições através de "meios de proteção individual" que serão tornados abundantes no mercado nas próximas semanas. "Foram publicadas normas que permitirão a massificação de máscaras de proteção comunitária no mercado português e regras que permitem a massificação de gel alcoolizado para ser comprado no mercado português", sublinhou. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais