Lar encerrado em Matosinhos funcionava ilegalmente e já tinha ordens para fechar

Lusa 09 de julho de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 13 a 19 de maio
As mais lidas

A Segurança Social encerrou o estabelecimento Associação Larsenior CART, em São Mamede de Infesta. Ação contou com a colaboração da Unidade de Saúde Pública local.

O lar de São Mamede de Infesta, em Matosinhos, encerrado na quarta-feira, funcionava "ilegalmente e sobrelotado" e já havia sido alvo de fiscalizações que determinaram o seu fecho, decisão que não cumpriu, adiantou hoje à Lusa fonte da Segurança Social.

"Este estabelecimento tinha já sido alvo de ações de fiscalização em que se determinou o seu encerramento administrativo, deliberação que a entidade não cumpriu", referiu a Segurança Social em resposta escrita, após ser questionada pela Lusa.

Dado estar em causa um crime de desobediência, a Segurança Social participou o caso ao Ministério Público (MP), estando em curso um processo de inquérito, salientou.

Na quarta-feira à noite, a Segurança Social encerrou o estabelecimento Associação Larsenior CART, em São Mamede de Infesta, distrito do Porto, numa ação que contou com a colaboração da Unidade de Saúde Pública local.

Este equipamento funcionava ilegalmente e tinha a seu cargo 20 utentes, adiantou.

A Segurança Social explicou que, atendendo às condições de instalação e funcionamento desta resposta, com destaque para a sua sobrelotação que é de "particular gravidade" na atual situação da pandemia da covid-19, foi determinado o seu "encerramento urgente".

Dos 20 utentes, dois foram levados por familiares e os restantes encaminhados para o Complexo de Neurointervenção da Cruz Vermelha Portuguesa, em Vila Nova de Gaia, esclareceu.

Esta ação foi efetuada no âmbito da covid-19, ao abrigo do protocolo de atuação nos lares ilegais, após solicitação da Autoridade de Saúde, frisou.

"Este protocolo visa, entre vários outros mecanismos, a identificação dos lares, a realização de visitas aos locais, a verificação da sua existência e funcionamento, a verificação do estado de saúde das pessoas idosas e equipa de profissionais relativamente à doença covid-19, a verificação da existência de condições sanitárias para permanência das pessoas idosas no local, bem como a verificação da existência e definição ou reforço do plano de contingência", explicou a Segurança Social.

A pandemia de covid-19 já provocou quase 551 mil mortos e infetou mais de 12,12 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.644 pessoas das 45.277 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais