Juiz Carlos Alexandre recusa adiar início da instrução dos Hells Angels devido ao coronavírus

Lusa 11 de março de 2020
As mais lidas

Estagiária da defesa de um dos arguidos esteve a fazer Erasmus na cidade italiana de Pádua e regressou recentemente a Portugal, tendo contactado pessoalmente com vários colegas.

Um dos advogados do processo Hells Angels queria que o juiz Carlos Alexandre adiasse o início da fase de instrução, depois de uma estagiária ter regressado de Pádua e de vários colegas apresentarem sintomas gripais, mas o magistrado recusou.

Hells angels
Hells angels REUTERS/Kai Pfaffenbach

Uma estagiária do escritório do advogado Túlio Machado, que defende o arguido Fábio Mendes, esteve a fazer Erasmus na cidade italiana de Pádua, um dos locais afetados pela epidemia do novo coronavírus, e regressou recentemente a Portugal, tendo contactado pessoalmente com vários colegas.

Contudo, e apesar de a jovem estar assintomática, "vários colegas começaram a apresentar sintomas gripais e foram aconselhados pelos médicos a ficar em casa", disse o advogado à Lusa.

Perante este cenário e tendo em conta as recomendações da Direção-Geral da Saúde, o advogado requereu ao juiz de instrução Carlos Alexandre para que "adiasse por uma semana o início da fase de instrução" do processo Hells Angels.

Perante a recusa do juiz em adiar a sessão de quinta-feira, Túlio Machado disse à Lusa que não vai estar presente no tribunal onde serão questionadas 50 testemunhas do processo.

"Ainda não sei o que vou fazer, mas caso decida ir ao tribunal na sexta-feira, porque serão interrogados arguidos, vou garantidamente de máscara por indicação do meu pneumologista", afirmou o advogado à Lusa.

O advogado acrescentou que vai enviar um novo requerimento ao juiz com os documentos sobre a situação clínica dos seus colegas, com quem esteve em contacto.

A notícia do pedido de adiamento da sessão foi avançada pelo Expresso Online.

A fase de instrução vai ser repetida, após a realização de 40 sessões, devido à saída da juíza do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC).

A acusação do Ministério Público sustenta que os 89 arguidos do grupo Hells Angels elaboraram um plano para aniquilar os ‘motards’ rivais, através da força física e de várias armas para lhes causar graves ferimentos, "se necessário até a morte", incluindo Mário Machado (líder do movimento de extrema-direita Nova Ordem Social), que foi aceite como assistente no processo.

Os arguidos estão acusados de associação criminosa, tentativa de homicídio qualificado agravado pelo uso de arma, ofensa à integridade física, extorsão, roubo, tráfico de droga e detenção de armas e munições entre outros crimes.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais