Investigação: o assalto à Portugal Telecom

Saiba como Sócrates, Salgado, Granadeiro e Zeinal Bava destruíram a PT, a maior empresa portuguesa, que agora tenta recuperar com um processo contra a brasileira Oi.

PT assalto
A Portugal Telecom foi privatizada, usada politicamente, acabando desmembrada. Chegou a distribuir milhões pelos accionistas, empregou cunhas e serviu o poder político. As revelações contidas em vários processos judiciais e documentos exclusivos revelados pela SÁBADO mostram agora toda a dimensão do saque.

Entretanto, na actual Altice, ainda há quadros experientes encostados na "prateleira", outros à espera de reforma em recepções de edifícios ou a fazerem outros trabalhos inadequados para as qualificações - eis a zona cinzenta de parte dos "excedentários" ou "dispensáveis" da PT. A denúncia é feita por Rita Garcia Pereira, a advogada que tem representado alguns trabalhadores após a compra da PT pela Altice. "Acompanho cinco situações de esvaziamento funcional ou atribuição de tarefas pouco condignas. Dois destes casos correm no Tribunal de Trabalho; os restantes estão em vias de correr. Os funcionários sentem que estão a ser alvo de assédio moral [vulgo mobbing]. Há quadros superiores nas portarias de edifícios, alguns deles abandonados", diz à SÁBADO

Por temerem mais represálias, os trabalhadores aguentam até à rescisão por mútuo acordo. "Porque têm responsabilidades que não se compaginam com a mudança de vida e têm uma idade que, para as outras operadoras, não é muito convidativa para serem contratados", prossegue Rita Garcia Pereira. Quanto às idades dos atingidos, variam: podem estar à beira da reforma, com 60 anos, ou metade desta idade. "No caso das mulheres que insistem em ter mais do que um filho começa a ser problemático. Têm de responder aos emails e SMS’S, mesmo de licença, nos prazos que lhes são dados. A lógica é que as pessoas têm de estar sempre contactáveis." Uma lógica que "a gestão de Zeinal se esforçava por respeitar", ressalva. "Apesar de tudo, havia essa cultura de respeito, que agora se perdeu completamente."

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais