“Há hoje uma maior perceção, atenção e preocupação sobre a corrupção”

“Há hoje uma maior perceção, atenção e preocupação sobre a corrupção”
Diogo Camilo 09 de dezembro de 2019

Processos por corrupção dispararam nos últimos anos mas António Maia, vice-presidente do Observatório de Economia e Gestão de Fraude, crê que isso não signifique que exista mais deste tipo de crime no país. Esta segunda-feira assinala-se o Dia Internacional Contra a Corrupção.

O número de inquéritos sobre corrupção tem disparado nos últimos anos em Portugal, mais do que duplicando entre 2018 e 2014. Para o vice-presidente do Observatório de Economia e Gestão de Fraude (OBEGEF), António Maia, existe hoje "uma maior perceção, uma maior atenção e uma maior preocupação" sobre este tipo de crimes no país, mas os números não querem dizer necessariamente que há mais corrupção no país.

No Dia Internacional contra a Corrupção, que se comemora esta segunda-feira. A ministra da Justiça, Francisca van Dunem, e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, são duas das figuras que vão fazer parte da conferência "Finanças, Ética, Fraude e Corrupção", a realizar-se no auditório António Domingues de Azevedo, em Lisboa.

Organizado pelo Observatório de Economia e Gestão de Fraude (OBEGEF), o Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal (IDEFF) da Faculdade de Direito de Lisboa, o Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa (ISCAL) e a Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), o evento conta ainda com a diretora geral da Autoridade Tributária e Aduaneira, Helena Borges e da presidente do Conselho de Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral, que estará integrada no painel "Ética e Corrupção nas Instituições Financeiras, na qual estará inserido o diretor da SÁBADO, Eduardo Dâmaso.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais