Freitas do Amaral: Amor e fuga num país em revolução

Marco Alves , Sara Capelo 10 de outubro de 2019

Como Maria José e Diogo sobreviveram à queda do regime, esconderam os pais e os filhos da fúria revolucionária que lhes invadiu as casas


De madrugada, um amigo ligou-lhes para o Hotel do Mar, em Sesimbra: "Diogo, a tropa está na rua". Diogo e Maria José (Mizé para os amigos e família) saíram a correr para irem ter com os filhos que estavam em Lisboa. Quando chegaram à ponte sobre o Tejo, um tanque já barrava a passagem, mas ainda conseguiram passar. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais