Ex-presidente de IPSS dos Açores ganhava mais de quatro mil euros/mês

Auditoria de Fevereiro de 2016 da Secretaria Regional de Saúde censurou ordenado de Suzete Frias. Ainda assim, em Novembro daquele ano, o governo regional, liderado por Vasco Cordeiro, nomeou-a directora regional para a Prevenção e Combate às Dependências

O PSD/Açores vai insistir, esta quarta feira no Parlamento Regional, com a demissão da Directora Regional para a Prevenção e Combate às Dependências, Suzete Frias. Tudo porque, durante vários anos, a agora directora regional foi presidente da Instituição de Solidariedade Social "Arrisca", auferindo um ordenado de 4067 euros mensais. A nomeação ocorreu em Novembro de 2016, numa altura em que o próprio governo regional, liderado pelo socialista Vasco Cordeiro, já tinha na sua posse um relatório de auditoria à "Arrisca", o qual censurou o ordenado da presidente, considerando que o mesmo não poderia "ultrapassar o montante máximo" estabelecido no Estatuto das IPSS: 1676 euros. Ou seja, uma situação que em tudo se assemelha ao caso de Paula Brito e Costa, até há bem pouco tempo presidente da Associação "Raríssimas."

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais