Covid-19: Rui Rio "muito preocupado" com os ajustes diretos do Ministério da Saúde

C.A.C. 06 de maio de 2020

Presidente do PSD garantiu também que "não suspendeu" a oposição quando defendeu que queria êxito do Governo na luta contra a pandemia do novo coronavírus.

O presidente do PSD, Rui Rio, garante que "não suspendeu" a oposição quando defendeu que queria êxito do Governo na luta contra a pandemia de covid-19 e que "não está nada arrependido" de ter tomado essa posição. "Estamos na vida pública para ajudar as pessoas", disse, em entrevista à CMTV, recordando que tal não inibiu críticas ao Executivo de António Costa, principalmente na questão da libertação de presos como maneira de combater a propagação do novo coronavírus.  "Espero que não venhamos a ter problemas de criminalidade por causa do que o governo fez", sublinhou.

O presidente social-democrata desvalorizou também sondagens sobre intenções de voto que o colocam em desvantagem perante o secretário-geral do PS, recordando que "não haverá eleições em breve". "Andamos a brincar às sondagens", atirou. 

Questionado sobre a questão dos ajustes diretos para compra de equipamentos de proteção individual e sobre as suspeitas de alguns negócios do Ministério da Saúde no valor de 79,8 milhões de euros, Rui Rio assumiu estar "muito preocupado". "Neste quadro, em que Portugal está como está, alguém começa a privilegiar uns amigos ou a tentar ganhar algum dinheiro é inadmissível. Se isso aconteceu ou acontecer, acho altamente reprovável. Seja dentro do meu partido ou fora", disse, acrescentando: "Espero que o Ministério Público esteja atento".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais