Covid-19: O sol convida a sair? Quando os ajuntamentos correram mal

Covid-19: O sol convida a sair? Quando os ajuntamentos correram mal
Mariana Branco 03 de maio de 2020

As medidas de desconfinamento não representam que a pandemia de Covid-19 tenha acabado.

O estado de emergência em Portugal devido à pandemia de covid-19 já terminou, com o país a entrar em estado de calamidade. Marcelo Rebelo de Sousa falou numa "retoma por pequenos passos" à nova normalidade. Ressalvou, contudo, que "o fim do estado de emergência não é o fim do surto". Depois de mais de um mês de confinamento, e com as temperaturas a subir, a possibilidade de que os portugueses saiam de casa em grande número aumenta. Mas lembre-se: o dever de recolhimento domiciliário estende-se a toda a população (independentemente da idade ou de uma pessoa apresentar fatores de risco). E manter o distanciamento social enquanto estamos a viver uma pandemia reveste-se de enorme importância.

<blockquote class="embedly-card"><h4><a href="http://www.sabado.pt/coronavirus/detalhe/desconfinamento-as-regras-que-deve-seguir-e-as-datas-da-reabertura">Desconfinamento: As regras que deve seguir e as datas da reabertura</a></h4><p>O Governo aprovou hoje o plano para o levantamento das medidas de confinamento no âmbito do combate à pandemia de covid-19, estabelecendo um período de 15 dias entre cada uma das fases. A cada 15 dias, segundo o Governo, serão avaliados os impactos das medidas na evolução da pandemia, "tendo em conta a permanente atualização de dados e a avaliação da situação por parte das autoridades de saúde".</p></blockquote>
<script async src="//cdn.embedly.com/widgets/platform.js" charset="UTF-8"></script>

Uma coisa é certa: tem que manter o distanciamento social
Sem uma vacina, "o distanciamento intermitente pode ser necessário até 2022". A conclusão é de um grupo de investigadores que sugere que pode surgir uma nova "onda" de casos de covid-19 nos próximos anos caso as medidas de distanciamento social não sejam postas em curso. Segundo o artigo publicado na revista Science, "uma paragem única" não vai ser suficiente para controlar a pandemia e possíveis picos secundários, que podem ser mais acentuados que o atual se não forem impostas "restrições contínuas".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais