Começou julgamento de mãe de aluno morto em praxe

Lusa 23 de maio de 2016
As mais lidas

Jovem morreu numa praxe da tuna da Universidade Lusíada de Famalicão. Arguida é acusada de quatro crimes de difamação

A mãe de um aluno morto numa praxe da tuna da Universidade Lusíada de Famalicão, que começou hoje a ser julgada por nomear, em órgãos de comunicação, os suspeitos da morte do filho, disse que nunca quis "difamar" ninguém.

Getty Images
"O meu objectivo não era difamar ninguém, nem ofender a honra fosse de quem fosse, falei naqueles nomes porque eram os que constavam do processo-crime [que foi arquivado] e o que pretendia ao dar as entrevistas era não deixar cair o assunto no esquecimento e saber quem matou o meu filho", explicou à magistrada do Tribunal da Maia, no distrito do Porto.

A arguida, de 62 anos, está acusada de quatro crimes de difamação, tendo o assistente - que foi arguido no processo-crime do homicídio do filho - pedido uma indemnização de 120 mil euros por, numa das entrevistas, o apelidar de "assassino".

Em 2001, o filho da arguida, aluno da Universidade Lusíada de Famalicão, morreu na sequência de uma praxe, tendo o tribunal considerado provado, apenas em 2009, que a causa da morte foi uma pancada na nuca com uma revista e condenado a universidade a pagar à mãe uma indemnização de 90 mil euros.

Contudo, os culpados directos nunca foram encontrados e o processo-crime foi arquivado por falta de provas em 2004.

A arguida explicou que deu as entrevistas em 2014, na sequência da Tragédia do Meco (onde faleceram seis estudantes alegadamente vítimas de praxes violentas) e a pedido dos diferentes órgãos de comunicação com o objectivo de não "deixar cair no esquecimento" a história do filho.

"Tive acesso ao processo-crime onde constavam os nomes de dois tunos [membros da tuna] como suspeitos da morte do meu filho, por isso, o que disse foi com base no que li", explicou.

E realçou: "o meu filho, sempre que ia em digressões com a tuna, os outros roubavam-lhe boxers, meias e camisas e eu sei disso porque era eu que lhe fazia e desfazia a mala".

Além disto, a arguida acrescentou que, mais do que uma vez, deixaram o filho nu e seminu longe de casa, tendo confidenciado à irmã que era "muito humilhado".

Na noite do crime, a arguida explicou que o filho estava a jantar quando recebeu uma chamada telefónica e, antes de sair de casa, disse ao pai que "ia só resolver" a vida dele na tuna, voltando já.

O assistente no processo, tuno de 39 anos, explicou que decidiu avançar com uma queixa por estar "saturado" de o seu nome ser "sistematicamente" falado na comunicação social sempre que acontecem episódios trágicos nas praxes académicas.

"Nos dias da primeira reportagem, em 2004, onde eu testemunhei, estive semanas e meses sem sair de casa por era apontado na rua", frisou.

Acrescentando ter tido "problemas académicos, pessoais e profissionais" por a arguido o ter chamado de "assassino", em entrevistas em 2014.

"Sou acusado de coisas que não fiz, agora até uso barba e cabelo mais curto para não ser reconhecido", vincou.

Confirmando a existência de praxes, nomeadamente a realização de flexões, o tuno ressalvou que ele também havia passado por isso enquanto caloiro.

A advogada de defesa, Sónia Carneiro, salientou que a mulher, como mãe, continua à procura da verdade e da justiça, não sendo a sua intenção de lesar a honra das pessoas em concreto, mas descobrir os culpados pela morte do filho.

Já o advogado do tuno, Eduardo Magalhães, ressalvou que a vida dele tem sido um "inferno" porque tem sido perseguido por algo que nunca fez.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais