Cibersegurança: Eleições de 2019 exigem especial atenção

C.A.C. , Lusa 21 de abril de 2018
As mais lidas

Centro Nacional de Cibersegurança vai colaborar numa iniciativa europeia para "mitigar os problemas" com eventuais perturbações nas eleições ao Parlamento Europeu de 2019.

hackers
hackers
Grupo de 'hackers' ataca 'site' da CIA
hackers
hackers
Grupo de 'hackers' ataca 'site' da CIA

Os ataques informáticos para "desfigurar" os "sites" ou deitar abaixo páginas na Internet de partidos e candidaturas são os mais frequentes em campanhas eleitorais em Portugal, segundo o coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS).

Em entrevista à Lusa, Pedro Veiga não dá pormenores sobre números, mas explica o que fazem os hackivistas, um neologismo que mistura hacker com activista neste período de activismo político antes das eleições.

"Os ataques nos períodos eleitorais são a adulteração do aspecto dos sites, defacing em inglês, que é tentar ir a um site e alterar o seu aspecto gráfico, os ataques de indisponibilidade, que consistem em inundar, com volumes de tráfegos muito elevados, o site de um organismo ou candidato para que deixe de estar acessível", descreve.

O centro cria, nessa fase, uma "sala de situação", adaptação do inglês situation room, em que colaboram técnicos de vários organismos, incluindo a Comissão Nacional de Eleições (CNE) e o Ministério da Justiça.

O Departamento de Operações do CNCS "tem a responsabilidade de fazer o tratamento e resposta a incidentes de cibersegurança", explicou. "E é conhecido que há certos eventos, como eleições, onde há uma maior actividade no ciberespaço. Para minimizar o tempo de resposta a eventuais incidentes activamos a 'sala de situação', em que temos pessoal em permanência para poder reagir com maior rapidez se houver um incidente", disse.

O objectivo é "reagir com maior rapidez se houver um incidente" por parte do CNCS, enquanto centro nacional de resposta a incidentes de cibersegurança.

A resposta a dar está tipificada e é explicada por Pedro Veiga. "Se identificamos que há um grande fluxo de tráfego que vem a partir de uma rede de um operador ou de um conjunto de endereços, imediatamente o técnico que gere o acesso da organização pode programar o 'firewall' ('software' de protecção) para que esse tráfego seja imediatamente eliminado e assim a disponibilidade do servidor ser garantida", explicou.

Eleições de 2019 exigem especial atenção
À Lusa, Pedro Veiga anunciou ainda que o CNCS vai colaborar, em 2019, numa iniciativa europeia para "mitigar os problemas" com eventuais perturbações nas eleições ao Parlamento Europeu. O coordenador admitiu que Portugal "não está imune" a este tipo de problemas de contra-informação nas redes sociais, como as que podem ter afectado as eleições presidenciais que deram a vitória de Donald Trump, em 2016, ou o referendo da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.

Pedro Veiga explicou que, "por causa do histórico de perturbação de actos eleitorais a nível mundial, pretende-se que isso não aconteça na Europa", estando a Comissão Europeia "a dinamizar um conjunto de actividades" para "mitigar os problemas que possam existir".

"É uma nova dimensão de preocupação", assume o responsável português, embora distinguindo os casos de contra-informação dos problemas que, normalmente, são tratados no CNCS.

Em 2019, como em outras campanhas, o objectivo central dos técnicos da "sala de situação" é proteger as infra-estruturas de apoio ao processo eleitoral, que serão dois, em maio as europeias e as legislativas, ainda sem data marcada.

O Facebook tem estado no centro de uma polémica internacional associada com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de milhões de utilizadores daquela rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores. Em Portugal, o número de utilizadores afectados poderá rondar os 63.080.

Na entrevista à Lusa, o coordenador do CNCS, professor universitário e um dos pioneiros da Internet em Portugal, afirmou que a resposta para evitar os efeitos deste tipo de casos é a informação e a capacitação dos cidadãos, porque "muitos problemas resultam da ingenuidade das pessoas".

Pedro Veiga aconselhou as pessoas a estarem "mais atentas" sobre o que partilham nas redes sociais que pode pôr em causa a sua privacidade.

E deixou ainda o alerta de que, nas redes sociais, "muita informação é falsa e visa actividade criminosas, quer de desinformação quer para aliciar jovens para aliciar jovens com mentira e fotografias falsas".

É preciso os cidadãos "não fazerem erros básicos, de divulgar tudo nas redes sociais, e não acreditarem em tudo" o que lêem, insistiu. 

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais