CGD: Governo promete apurar todas as consequências "sem olhar a quem"

Cátia Andrea Costa 11 de fevereiro de 2019

Secretário de Estado Adjunto e das Finanças não falou do pedido de exoneração do governador do Banco de Portugal, mas garante que a investigação será feita sem ter em conta nomes.

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, garante que estão ser apuradas responsabilidades, tanto do ponto de vista criminal, como do contra-ordenacional e civil, sobre a questão dos créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos e que eventuais consequências não terão em conta os protagonistas mas sim os factos. A reação do governante, citado pelo Expresso, surgiu depois do Bloco de Esquerda defender a exoneração do governador do Banco de Portugal.  A continuidade de Carlos Costa começou a ser debatida depois de a revista SÁBADO ter divulgado atas que revelam que o governador tinha participado, quando foi administrador da Caixa Geral de Depósitos, em reuniões que aprovaram créditos problemáticos.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais