CDS desafia PS a apresentar contas do programa eleitoral

"O PS não apresenta nenhum impacto financeiro das suas medidas, não é possível nem é maduro discutir programas eleitorais sem apresentar contas", diz Adolfo Mesquita Nunes

O CDS-PP desafiou hoje o PS a apresentar as contas do seu programa eleitoral, e considerou que "a última coisa de que o país precisa é de uma revisão constitucional feita à esquerda" que aumente o peso do Estado.

Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes
Adolfo Mesquita Nunes
Em declarações aos jornalistas, nos jardins da Assembleia da República, em Lisboa, o coordenador do programa eleitoral do CDS-PP, Adolfo Mesquita Nunes, acusou o PS de "não apresentar contas" no seu programa para as legislativas, aprovado no sábado, em Convenção Nacional.

"O Partido Socialista não apresenta nenhum impacto financeiro das suas medidas, não é possível nem é maduro discutir programas eleitorais sem apresentar contas", considerou.

Segundo as contas do CDS-PP, acrescentou, "todas as promessas que o PS apresenta não cabem no cenário macroeconómico do Governo e que foi validado por Bruxelas no Programa de Estabilidade".

"Ou seja, o PS está a usar um cenário macroeconómico que é diferente do cenário macroeconómico do Governo, um governo do Partido Socialista. O desafio que fazemos é que o PS possa rapidamente apresentar as suas contas para que os partidos possam discutir em plano de igualdade as suas propostas", apelou.

Adolfo Mesquita Nunes recordou que o programa eleitoral do CDS-PP defende que 60% do excedente orçamental do país "tem de ser para a redução do IRS".

"O excedente que utilizámos no nosso programa é o do Programa de Estabilidade. Se o PS quer anunciar que teremos um excedente maior, pois 60% desse excedente será, do nosso ponto de vista, para reduzir o IRS", afirmou.

Questionado como vê o CDS uma revisão constitucional na próxima legislatura, numa altura em que as sondagens apontam para a possibilidade de os partidos à esquerda somarem os dois terços necessários para a sua alteração, o antigo vice-presidente do CDS deixou um alerta.

"A última coisa de que o país precisa é de uma revisão constitucional dominada pela esquerda, em que o setor privado desaparece e o Estado toma conta de tudo", afirmou.

Sobre o motivo concreto invocado no sábado pelo secretário-geral do PS para poder desencadear essa revisão -- fazer uma abordagem integral nos tribunais para combater a violência doméstica -, Mesquita Nunes diz que "a seu tempo" o partido apresentará as suas propostas nesta matéria.

"Há vários assuntos que podem determinar uma mudança da Constituição, desde logo a alteração nos modelos da regulação bancária, como o CDS já tem proposto. Mas a última coisa de que o país que pais precisa é de uma revisão constitucional feita à esquerda para acabar com o setor privado ou torná-lo meramente residual", insistiu.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais