Bastonário dos Advogados diz que processo "vai demorar imenso tempo"

Lusa 11 de outubro de 2017
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 28 de janeiro a 3 de fevereiro
As mais lidas

É importante que as pessoas acusadas tenham agora "acesso a tudo e a possibilidade de contestar"


O bastonário da Ordem dos Advogados, Guilherme Figueiredo, afirmou hoje, a propósito da acusação do Ministério Público a José Sócrates, que o processo vai demorar "imenso tempo", salientando a importância do encerramento da fase de inquérito.

"O que posso referir é que me congratulo por finalmente termos a acusação, como podia ter sido o arquivamento. O importante é que a fase de inquérito tivesse acabado. Foi muito tempo, provavelmente de forma justificada pelas diversas démarches, nomeadamente internacionais, mas estava a causar alguma perturbação naquilo que é o olhar do cidadão", declarou à agência Lusa.

Guilherme Figueiredo referiu ainda que o processo será "muito longo".

"É evidente que um processo destes, com o número de arguidos, número de prova e número de testemunhas que com certeza virá a ter, é um processo que vai demorar imenso tempo, imenso tempo", afirmou.

O bastonário disse que é importante que as pessoas acusadas tenham agora "acesso a tudo e a possibilidade de contestar", explicando que também será reposto "de forma mais forte o princípio da presunção de inocência".

"A circunstância de o processo não ter sido partido faz parte de uma estratégia da acusação. Será um processo longo, não tenhamos ilusões quanto a isso, mas o facto de ter aparecido a acusação remete o cidadão para uma confiança no sistema. Era necessário o encerramento do inquérito", salientou.

O Ministério Público acusou hoje o antigo primeiro-ministro José Sócrates de corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais, falsificação de documentos e três crimes de fraude fiscal qualificada e Carlos Santos Silva por corrupção passiva de titular de cargo político, corrupção activa de titular de cargo político, branqueamento de capitais, falsificação de documento, fraude fiscal e fraude fiscal qualificada.

Ricardo Salgado está acusado de corrupção activa de titular de cargo político, corrupção activa, branqueamento de capitais, abuso de confiança, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada, enquanto o antigo presidente da PT Zeinal Bava foi acusado por corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada.

Henrique Granadeiro, ex-administrador da PT, está acusado de corrupção passiva, branqueamento de capitais, peculato, abuso de confiança e fraude fiscal qualificada e Armando Vara foi acusado de corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada.

Na 'Operação Marquês' estão acusados 28 arguidos, 19 pessoas e nove empresas, num total de 188 crimes.
Active a sua
Assinatura de Oferta
Para aceder sem limites , a todos os conteúdos do site, insira o Código Promocional disponível na edição desta semana da revista aqui , e não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara diariamente para si.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais