António Costa: "Odeio ser autoritário mas temos de controlar a pandemia"

António Costa: 'Odeio ser autoritário mas temos de controlar a pandemia'
Diogo Barreto 15 de outubro de 2020

O primeiro-ministro afirmou que obrigatoriedade das máscaras surge porque "não podemos estar impávidos a assistir a um aumento crescente dos números".

António Costa falou esta quinta-feira, a partir de Bruxelas, sobre as medidas anunciadas na quarta-feira que incluem a obrigatoriedade de utilizar as máscaras na rua ou ter a aplicação StayAway Covid no telemóvel. Eu odeio ser autoritário mas temos que controlar a pandemia", afirmou o primeiro-ministro. 

"Se é uma proposta que eu gosto? Não gosto. Não gosto de proibições, mas há uma coisa que eu constato: não podemos estar impávidos a assistir a um aumento crescente dos números", assegurou o primeiro-ministro. "É muito claro olhando para os números que eles tem vindo a crescer de forma consistente desde agosto e que a evolução que estamos a ter é uma evolução grave", explicitou o governante que informa que os portugueses precisavam de um sinal "inequívoco" de que é necessário "alterar comportamentos".

O chefe do Governo reforçou que não se pode chegar ao Natal com estes níveis de risco da pandemia e reforçou a possibilidade de as famílias terem de se organizar em grupos mais pequenos.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais