Administrador dos colégios GPS investigado por compra de ouro

Administrador dos colégios GPS investigado por compra de ouro
Diogo Camilo 31 de março de 2019

O antigo deputado do PS, António Calvete, está a ser investigado por suspeitas de branqueamento de capitais relacionado com a compra de ouro a familiares.

O administrador dos colégios GPS, António Calvete, está a ser investigado pelo Ministério Público por suspeitas de branqueamento de capitais relacionado com a compra de ouro a familiares, avança o Público deste domingo. O antigo deputado do PS já havia sido acusado em 2016 por suspeitas de corrupção e tráfico de influências, desviando fundos dos colégios privados para benefício pessoal dos administradores que, com parte dele, pagaram jantares, mobília, produtos de tabaco, viagens e garrafas de vinho.

De acordo com o inquérito aberto no Departamento Central de Investigação e Ação Penal, referido pelo Público, estão compras de ouro no valor de pelo menos 400 mil euros dadas a dois filhos do administrador e à sua companheira, através de várias contas do Novo Banco. Ainda antes destas operações, em 2018, António Calvete já havia transferido grandes quantias para as mesmas contas bancárias.

A procuradora responsável pelo processo suspeitava que o antigo governante tentou adquirir ouro com o propósito de "subtrair à ação da justiça vantagens obtidas de forma ilícita". No entanto, refere o diário, a operação falhou: os elevados montantes, na ordem do milhão de euros, chamaram à atenção dos mesmos alertas automáticos que haviam sido usados para prevenir o branqueamento de capitais.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais