Acompanhar o Novo Banco é uma "tarefa extremamente complexa e difícil"

Jornal de Negócios 16 de setembro de 2020

O presidente do Fundo de Resolução defende que a entidade que lidera devia estar representada na administração do Novo Banco.

Luís Máximo dos Santos, presidente da Fundo da Resolução, afirma que o acompanhamento do Novo Banco é uma "tarefa extraordinariamente complexa". E defende que a entidade que lidera devia estar na administração da instituição financeira liderada por António Ramalho. 

"Esta tarefa que foi cometida ao Fundo de Resolução sobre os devedores do acordo de capital contingente é algo totalmente novo. Digo mesmo, não é uma tarefa de um banco central", disse o responsável aos deputados na comissão de Orçamento e Finanças.

E continuou: o acompanhamento do Novo Banco "é uma tarefa extraordinariamente complexa e difícil", notando que podiam "ter contratado um assessor financeiro para realizar este trabalho, mas seríamos criticados por gastar dinheiro". "Tínhamos no Banco de Portugal capacidade para fazer um trabalho bem feito", defendeu o responsável. 


Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais