A teia de ligações do poder angolano a Portugal

C.A.C. 22 de janeiro de 2020

Os investimentos de Isabel dos Santos concentraram-se sobretudo na banca, energia e telecomunicações – e foi pela presidência de muitas destas empresas que passaram nomes relevantes da política portuguesa. Antes e depois do império da empresária crescer.

Foi uma das primeiras consequências da divulgação de uma mega investigação internacional sobre Isabel dos Santos chamada Luanda Leaks: o banco Eurobic decidiu terminar as relações comerciais com entidades e pessoas ligadas à empresária, sua acionista indireta. Através de empresas a si ligadas, a filha do ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos, constituída arguida esta quarta-feira por alegada má gestão e desvio de fundos durante a passagem pela petrolífera estatal Sonangol, era acionista de 42,5% do EuroBic, detendo a maior "fatia" entre os detentores de participações sociais do banco fundado em 2008, então como BIC Português. Esta quarta-feira, foi anunciado que alienação da sua participação no banco foi já iniciada.

Pela presidência do banco passaram dois dos governantes portugueses com quem Isabel dos Santos, empresas angolanas e até o estado mantiveram relações próximas nas últimas décadas, uma teia de ligações recordada pelo portal Esquerda.net. O primeiro líder do BIC foi o social-democrata Mira Amaral, ministro do Trabalho e Segurança Social entre 1985 e 1987 e ministro da Indústria e da Energia, também de Cavaco Silva, entre 1987 e 1995. Foi ao BIC que o Governo português, então liderado por Pedro Passos Coelho, vendeu o BPN, alvo de uma nacionalização. O antigo ministro não quis comentar o caso Luanda Leaks, quando contactado pela Lusa: "Saí do banco há quatro anos, nunca mais falei sobre o banco e sobre Angola".

A Mira Amaral na presidência do referido banco seguiu-se Teixeira dos Santos, ex-ministro da Economia e das Finanças dos Governos de José Sócrates. Foi a presidência deste que decidiu cortar as relações comerciais com a empresária angolana. Passou por si a decisão de nacionalizar o BPN em 2008.

A vida de Isabel dos Santos no Instagram já foi mais fácil

Ora apanha morangos, voa em companhias low cost ou pede justiça. O Instagram de Isabel dos Santos é uma das apostas da sua comunicação. E há muitos que a apoiam e outros que deixam comentários como "Tomara que pagues por tudo" - Mundo , Sábado.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais