Notícia

Autárquicas 2017

PSD, um partido em extinção autárquica

01.10.2017 20:25 por Carlos Rodrigues Lima
Primeiras projecções indicam uma vitória dos socialistas nas principais câmaras do País. Em Lisboa, os sociais democratas até correm o risco de passar para quarta força política, atrás da CDU
Foto: LUSA / MIGUEL A. LOPES
Foto: MIGUEL A. LOPES/LUSA
Foto: Miguel A. Lopes/Lusa
Foto: MIGUEL A. LOPES/LUSA
Foto: Miguel A. Lopes/Lusa
Foto: Miguel A. Lopes/Lusa
Foto: Ricardo Jr./Cofina Media
Foto: António Pedro Santos/Lusa

Pedro Passos Coelho


As projecções dos vários canais de televisão são unânimes: o PSD deixou de ser aquele partido com forte implantação autárquica, sendo até, de acordo com estes números iniciais, o maior derrotado destas eleições. O facto mais ilustrativo desta tendência é o risco que a candidata Teresa Leal Coelho corre em Lisboa: passar o partido a quarta força polítiva, atrás do PS, CDS e CDU. Fernando Medina poderá conseguir a maioria absoluta, enquanto a líder do CDS, Assunção Cristas, poderá conseguir o melhor resultado de sempre do partido na capital.

A norte tudo também se encaminha para vitórias do PS em importantes autarquias, como Matosinhos, sendo que no Porto Rui Moreira deverá ganhar novamente, restando a dúvida sobre uma eventual maioria absoluta. Manuel Machado, por sua vez, deverá regressar à cadeira de presidente da Câmara de Coimbra, enquanto que, em Odivelas, o socialista Rui Martins deverá ganhar ao "peso forte" do PSD, Fernando Seara. Com ou sem surpresa, Isaltino Morais também regressará á câmara de Oeiras, derrotando o seu antigo número dois, Paulo Vistas.

Numa primeira reacção, o presidente da concelhia socialista de Lisboa disse hoje que "tudo aponta para que o PS tenha tido uma vitória muito clara na cidade", salientando que, a confirmarem-se os primeiros números, será "um dos melhores resultados de sempre". "Tudo aponta para que o PS tenha tido uma vitória muito clara na cidade de Lisboa", declarou Duarte Cordeiro, que falava no hotel Altis, na Rua Castilho, onde decorre a noite eleitoral do partido na capital.

Aludindo aos números provisórios, que dão entre 41% a 47% ao candidato do PS, Fernando Medina, o presidente da concelhia falou "num dos melhores resultados de sempre" do partido na cidade. "Hoje percebemos que Fernando Medina foi eleito presidente e isso é algo que permitirá transmitir confiança aos lisboetas no futuro", acrescentou Duarte Cordeiro.

pub
O também número dois da lista de Fernando Medina admitiu a existência de uma maioria absoluta, com a qual se congratulou, e falou em "resultados muito claros quanto à confiança" dos munícipes, que elegem o PS pela quarta vez consecutiva nas eleições autárquicas. Além disso, "conquistaremos mais presidências de Junta", notou.

Nestas eleições, concorreram também à presidência da Câmara de Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Já o dirigente do CDS-PP Telmo Correia manifestou hoje "enorme confiança" face às projeções divulgadas para as eleições autárquicas e sublinhou que, "com grande probabilidade", em Lisboa os centristas podem estar perante "um momento histórico".

"Falo na grande aposta do CDS que é Lisboa. Também aí estamos a aguardar com serenidade, temos apenas projeções, mas o que estas projeções nos dizem é que, com grande probabilidade, caminhamos aqui e hoje nesta cidade de Lisboa para um momento histórico", declarou Telmo Correia.


pub
pub