Notícia

Autárquicas

O estranho caso da carrinha da Estrela que levou eleitores a Alcântara

01.10.2017 18:52 por Sara Capelo
CNE recebeu pelo menos duas reclamações por eleitores estarem a ser transportados a mesa de voto em carrinha da junta de freguesia
Foto: Sábado

Foram apresentadas pelo menos duas reclamações junto da Comissão Nacional de Eleições devido ao transporte de eleitores até à Junta de Freguesia de Alcântara, onde estava instalada uma mesa de voto, numa carrinha da Junta de Freguesia da Estrela, ambas em Lisboa.

Uma das reclamações partiu do candidato à Junta de Freguesia de Alcântara em 2013, Jorge Nuno Sá, eleito pelo PSD-CDS para a assembleia de freguesia e que não se recandidata nestas eleições. Jorge Nuno Sá viu a carrinha parada numa passadeira próxima do edifício da Junta de Alcântara, onde se vota, e estranhou.

"Certamente por coincidência o candidato do PSD em Alcântara é assessor do presidente da Junta da Estrela, também ele do PSD." O actual autarca da Estrela é Luís Newton, que a SÁBADO tentou contactar por telefone e através de mensagem escrita, ainda sem sucesso.

A outra queixa foi apresentada pela candidatura socialista à Junta de Freguesia da Estrela. "Transportar eleitores numa circunstancia normal seria louvável", disse fonte da candidatura à SÁBADO. Mas neste caso, a carrinha terá servido apenas para levar eleitores para uma outra junta e não para transportar "as pessoas com pouca mobilidade" que moram na Estrela até às mesas de voto da Estrela.

A mesma fonte recorda que nestas eleições houve um desdobramento das mesas de voto e eleitores que iam "há 40 anos" ao mesmo local, "votam agora muito longe e têm de fazer uma subida muito íngreme." Neste caso, diz, "não houve um funcionário a transportá-los e é numa zona que vota tipicamente PS, pelo que pode acontecer menos votos para o PS", refere.

pub
Jorge Nuno Sá não acredita que o transporte de eleitores até Alcântara na carrinha de uma outra junta possa ter efeito no resultado final na freguesia. "Tem efeito é no descrédito das instituições e na política. Mas isso para alguns conta pouco", disse à SÁBADO.


pub
pub