Notícia

Operação E-Toupeira

Assessora de Maria José Morgado usada em espionagem judicial

07.03.2018 16:45 por Carlos Rodrigues Lima
Dados da procuradora Ana Paula Vitorino foram "roubados" para acesso aos processos que interessavam ao Benfica. Leia toda a investigação esta quinta-feira na SÁBADO.
Foto: Sábado
Luís Filipe Vieira (presidente do Benfica) e Paulo Gonçalves (assessor jurídico da SAD)
Foto: Sábado
Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica
Foto: Sábado
Foto: Sérgio Lemos 
PGR: Maria José Morgado não é suspeita no inquérito ao Citius
Foto: Sábado

Teaser Benfica

As credenciais (username e password) da procuradora Ana Paula Vitorino, actual assessora da Procuradora Distrital de Lisboa, Maria José Morgado, foram a chave encontrada pelo técnico do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) José Augusto Silva, um dos detidos na Operação E-toupeira para recolher informação sobre os processos judiciais que interessavam ao Benfica.

Depois de em Setembro a SÁBADO ter revelado o acesso dos encarnados a partes do chamado caso dos emails, em cinco meses a Unidade Nacional Contra a Corrupção da Polícia Judiciária investigou e deteve, esta semana, Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD encarnada, depois de um procurador da 9ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa ter emitido os mandados de detenção e busca. 

Nesses documentos refere-se expressamente que José Augusto Silva recebeu como contrapartida um "cargo no Museu Cosme Damião para Fernando Silva Rocha", seu sobrinho. E que foi Paulo Gonçalves quem "diligenciou junto dos recursos humanos do Benfica pela contratação do sobrinho de José Silva para o museu do clube"

Leia toda a investigação na edição 723 da Revista SÁBADO, esta quinta-feira nas bancas.

pub
Capa n.º 723


pub
pub