Notícia

Portugal

Junta médica manda trabalhar funcionário que morreu uma semana depois

30.06.2018 16:42 por L.R.
José Godinho sofria de cancro linfático desde 2012. Junta entendeu que não se deveria reformar.
Foto: Cofina Media
Foto: Cofina Media
Foto: Cofina Media

Câmara Municipal de Caminha
Um jardineiro da Câmara Municipal de Caminha morreu de cancro no dia 28 de Junho, uma semana depois de uma junta médica ter decidido que estava apto para trabalhar. O caso de José Godinho, de 56 anos, arrastava-se há vários anos.

Godinho estava de baixa médica prolongada desde 2012, quando lhe foi diagnosticado um cancro linfático, conta o Jornal de Notícias. Foi presente a várias juntas médicas pela ADSE (o subsistema de saúde dos funcionários públicos).

Em 2016, o seu processo transitou para a Caixa de Aposentações e Godinho foi chamado a junta médica de novo, em Abril de 2018. A junta realizou-se a 8 de Junho e decidiu que ele não se podia reformar. "A junta médica (…) não considerou o subscritor em referência absoluta e permanentemente incapaz para o exercício das suas funções, pelo que o pedido de aposentação por incapacidade foi indeferido", lê-se na decisão.

José Godinho faleceu no IPO do Porto, onde estava internado há 15 dias. Confrontado pelo jornal, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social garante que "está a analisar o caso".
pub


pub
pub