Notícia

Operação Marquês

José Sócrates volta ao Youtube para desmentir Ministério Público

22.11.2017 16:00 por Alexandra Pedro
Ex-primeiro-ministro publicou mais um vídeo no seu canal para desmistificar, segundo o próprio, as "invenções" do Ministério Público, no âmbito da Operação Marquês
Foto: YouTube
Foto: Cofina Media
Foto: Lusa
Foto: Fernando Veludo/Lusa

José Sócrates

As ligações entre o Grupo Lena, de Carlos Santos Silva, e a empresa Parque Escolar são a temática do novo vídeo de José Sócrates no Youtube, canal que tem usado para se defender das acusações de que é alvo na Operação Marquês. 

De todas as acusações, esta [relacionada com a Parque Escolar] é talvez a mais viciosa e numa evidente manipulação da realidade. (...) Dizem os investigadores que numa determinada fase do projecto foram adjudicadas às empresas do Grupo Lena 10,61% do total das adjudicações. Insinuando-se com isto, tendo esta dimensão superior à cota de mercado do grupo se tornaria por isso suspeita", começa por dizer o antigo primeiro-ministro português, argumentando que a acusação "é falsa". 

"Depois uma nova manipulação: o projecto da Parque Escolar, como é sabido, decorreu entre 2007 e 2011. Quatro anos. Pois bem, a acusação resolveu resumir-se apenas aos dois últimos anos - de 2009 a 2011", disse ainda, afirmando que o Ministério Público não contabilizou os dois primeiros anos, apenas porque estes não eram "vantajosos" para a história que queriam contar. 

"Estas manipulações não vão longe e não vão longe porque temos hoje abundantes provas que desmontam sem nenhuma dificuldade estes enganos", acrescentou Sócrates, num vídeo que contabilizava já 290 visualizações.

pub
"A verdade é que durante quatro anos a investigação não encontrou nada de minimamente censurável  na acção que foi desenvolvida na empresa Parque Escolar, nem um único concurso viciado, nem um favorecimento de quem quer que fosse, nem qualquer influência política, nem qualquer contrato irregular. Nada, absolutamente nada. Não podendo pegar por nada, os senhores procuradores decidiram então inventar", diz ainda o ex-governante português. 



De seguida, José Sócrates anuncia quais são as "invenções" do Ministério Público. "Inventaram uma percentagem de adjudicações à empresa Lena que é baseada em números falsos e inventaram ainda um novo crime", diz ainda, acrescentando que consiste na teoria que o "Estado não pode fazer adjudicações a empresas que estivessem acima da cota de mercado". 


pub
pub