Notícia

Portugal

Comboios intercidades com prioridade para reforço de pessoal na EMEF

12.09.2018 15:56 por Lusa
O reforço de pessoal, lembrou o ministro Pedro Marques, inclui 102 novas contratações e a regularização de 40 contratos precários nas oficinas.
Foto: Lusa
Foto: Lusa
Foto: Lusa

A intervenção nos comboios Intercidades é uma das prioridades para o reforço de pessoal na EMEF, segundo o ministro das Infraestruturas, que referiu a hipótese do aluguer de composições eléctricas espanholas para o longo curso.

Em audição parlamentar, que dura há mais de quatro horas, Pedro Marques referiu que, além do "trabalho que precisa de ser reforçado no material regional e de Cascais", uma das prioridades na Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) é a manutenção das carruagens de comboios Intercidades.

Aos deputados, o governante referiu ainda que no âmbito do contrato com a operadora ferroviária espanhola Renfe para aluguer de comboios estão previstos testes técnicos, que podem determinar o aluguer de material circulante eléctrico de "elevada qualidade".

Perspectivando a liberalização do transporte ferroviário na União Europeia, a partir de 2019, o ministro reafirmou a parceria que será feita entre CP e Renfe e não um caminho de "concorrência sem cartel" ou de "invasão".

Na semana passada, também no parlamento, o presidente da CP, Carlos Nogueira, informou que o aluguer de equipamentos feito pela CP à congénere espanhola Renfe custa 10,4 milhões de euros por ano, tendo em conta as 20 unidades já alugadas, as quatro novas e o comboio internacional.

pub
A CP e a congénere espanhola Renfe assinaram, em Madrid, um protocolo de cooperação que permitirá à empresa ferroviária portuguesa alugar em 2019 quatro comboios a gasóleo e uma primeira composição eléctrica.

O aluguer de comboios pela CP visa suprir necessidades enquanto é aguardado o concurso para a compra de mais composições.

Portugal apenas pode alugar comboios a Espanha, uma vez que ambos os países têm bitola (distância entre carris) ibérica. Portugal ainda usa comboios a gasóleo, pois cerca de um terço da infraestrutura ferroviária portuguesa está por electrificar.

Na audição, o presidente da CP realçou que estes são "contratos de aluguer por três anos".

"Quando tivermos as 22 unidades [anunciadas para o serviço regional], libertamos os comboios da Renfe. Este material é para devolver", concluiu o responsável.

pub
No final de Agosto, Carlos Nogueira tinha admitido "parcerias estratégicas com a Renfe [operadora ferroviária espanhola]", no âmbito da liberalização do mercado ferroviário, em 2019, que obrigará a "ser-se mais competente".

Em declarações aos jornalistas, após uma visita a uma oficina da EMEF, em Lisboa, o responsável notou que a liberalização do mercado "é já amanhã", a 1 de Janeiro de 2019, e só "quem tem bons argumentos, quem é competente, quem tem boa performance e condições de gestão singrará no mercado".

O Governo "não pode fazer grande coisa, não pode proteger o sector, a DGcom não deixa [direcção de concorrência da União Europeia]", pelo que a CP "tem que fazer o seu melhor", disse o presidente da CP, enumerando "parcerias estratégicas com a Renfe, ter melhor material circulante, ter pessoal motivado e focado e alinhado". "Temos que ser mais competentes", sublinhou.



pub
pub